• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Pandemia

Com antecipação de vacinas, MS imunizará 70% da população até Setembro, acredita governador

Reinaldo Azambuja mencionou que o Estado vive a quarta onda da pandemia do novo coronavírus

(Foto: Reprodução/Governo do RS)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) acredita que 70% da população de Mato Grosso do Sul poderá estar vacinada até os meses de Setembro e Outubro, isso, dependendo da disponibilidade de doses que são distribuídas pelo Ministério da Saúde.

Nesta terça-feira, 15 de Junho, Reinaldo Azambuja participou de reunião do Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul), em Porto Alegre (RS), onde falou sobre o tema vacinação durante entrevista coletiva.

Além de Reinaldo, também estiveram no encontro os governadores Eduardo Leite (RS), Carlos Moisés (SC) e Carlos Massa Ratinho Júnior (PR).

O governador de MS mencionou que o Estado vive a quarta onda da pandemia do novo coronavírus e que ampliou o número de leitos para atender os pacientes, mas que o antídoto é a vacina. “Ainda é necessário isolamento e precaução (...) e torcer para que o Ministério consiga abastecer os estados”, mencionou durante a coletiva.

Reunião do Codesul em Porto Alegre (Foto: Reprodução/Governo do RS)

Ele disse ainda que os estados querem cumprir o cronograma que está muito variável. “Vai depender da oferta de vacinas que advém do Ministério da Saúde. A gente espera que eles tenham sucesso nessa antecipação de vacinas para imunizar a população”, respondeu, acrescentando que os cronogramas de entregas de vacinas não foram cumpridos nos meses de Março, Abril e Maio.

“Se conseguirem antecipar essas doses que não vieram (...) a gente espera que possa retomar (...) A previsão é de que se cumprido, no final de Setembro e início de Outubro, a gente tenha 70% cobertura vacinal em MS.”

Vale mencionar que desde a semana passada, Campo Grande e outras cidades do interior do Estado paralisaram a vacinação por falta de doses. Agora, os municípios aguardam novas remessas do Ministério da Saúde.

Veja Também