• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Abuso Sexual

Polícia apreende celulares na casa de professora suspeita de estupro na Capital

Mulher foi denunciada por abuso sexual e maus-tratos contra alunos de escola particular

O caso está sendo investigado pela DEPCA (Foto: Divulgação/Arquivo)

Professora da escola particular de educação infantil Mon Petit foi denunciada por abuso sexual e maus-tratos contra as crianças na quarta-feira (11). A instituição fica localizada no bairro Santa Fé, em Campo Grande (MS).

De acordo com a delegada da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), Fernanda Mendes, foram feitas buscas na residência da suspeita e dois celulares foram apreendidos. O aparelho dela e do marido. Além disso, computadores e CDs foram encaminhados para análise pela perícia.

Investigadores também analisam câmeras de seguranças da escola nos últimos 15 dias. O primeiro registro sobre os abusos sexuais foi registrado no dia 09 de Maio. Após os fatos, outros pais também registraram boletins de ocorrência contra a professora.

Em uma das ocorrências, uma criança, de quatro anos de idade, teria contado para mãe que a docente teria tocado em suas partes íntimas. Já em outra ocorrência, um outra criança, de 3 anos, disse que a professora teria batido nela e em uma outra colega.

Em nota, a escola informou que teve conhecimento dos fatos e afastou a colaboradora em questão de suas atividades curriculares e extracurriculares.

"Estamos tratando o caso como prioridade, seguindo os protocolos legais com transparência, responsabilidade e ética, zelando pela dignidade das pessoas envolvidas, sob o cuidado de não causar constrangimento que desencadeia calúnia e difamação.

Ressalta-se que após finalização das investigações, todas as medidas legais serão tomadas, com apoio integral da escola aos desdobramentos jurídicos que se sucederem. Enquanto isso, a escola garante aos poais e responsáveis que foram instauradas medidas para que vossos filhos permaneçam no local em segurança.

Por fim, a instituição destaca que nenhum tipo de assédio, abuso ou importunação, de qualquer ordem, é tolerado e destaca que tem trabalhado para manter o ambiente de respeito, civilidade e harmonia que sempre ocorreu na escola, de modo que está colaborando com as autoridades competentes".

O caso foi registrado como estupro de vulnerável e maus-tratos qualificado, se o crime é praticado contra pessoa menor de 14 anos e segue em investigação na Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA). Após o relatos, as crianças foram atendidas pelo setor psicossocial.

Veja Também