• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Eleições 2020

“Com os mesmos políticos não tem como ter resultados diferentes”

Candidato do NOVO, Guto Scarpanti quer modelo de gestão privada na administração pública

Guto Scarpanti disputa a prefeitura da Capital pela primeira vez (Foto: Luciano Muta)

A segunda semana de Rodada de Entrevistas com os candidatos a prefeito de Campo Grande foi aberta com espaço para o concorrente do partido NOVO, Guto Scarpanti. Em seu projeto de governo, a principal linha que aponta como o diferencial em relação aos demais postulantes é reduzir os privilégios concedidos a políticos mudando as práticas administrativas.

Aos 39 anos Guto Scarpanti tem um histórico de gestor na rede privada em sua carreira profissional. É formado em Gestão de Micro e Pequenas Empresas, trabalha como gerente comercial e agente de exportação em uma indústria do setor madeireiro e é sócio-administrador de uma empresa no ramo de tecnologia. Defende que sua experiência em gestão pode ajudar a construir uma administração em um modelo diferenciado em Campo Grande.

Uma de suas primeiras ações será mudar a máquina administrativa. Entre as medidas está a redução do número de secretarias para 9 em acabar com 90% dos cargos comissionados. “Essa medida está no poder da caneta do prefeito. Vou reduzir os cargos comissionados que serão ocupados pelos valiosos servidores concursados e de carreira que podem ser selecionados para estarem nesses cargos”, projeta.

Abdicar de privilégios dados a políticos foi outro ponto elencado pelo candidato do NOVO. “Além de reduzir os cargos comissionados, vamos acabar com as regalias financeiras e reeleição ao final do mandato. Quem é do NOVO cumpre integralmente seu mandato”, afirma.

Na área educacional, Scarpanti quer adotar um modelo americano em que a escola é pública, gratuita, mas com administração privada seguindo a concepção de Parceria Público-Privada. “Queremos implementar um sistema que dá muito certo nos Estados Unidos que é o  Charter Schools, na qual as escolas recebem dinheiro público, mas são administradas de forma privada.  Isso vai fazer que o ensino melhore, assim com os índices do Ideb e a permanência dos alunos nas escolas”, pontua.

E se para as escolas a previsão é de uma gestão nos moldes privados, no setor de saúde o candidato acredita que contratualizar o atendimento com a rede particular vai evitar que seja preciso construir mais unidades de saúde.  “Ao invés de construir, por meio de contrato podemos aproveitar a estrutura de hospitais privados assim como também a realização de exames e reduzindo filas de espera. A telemedicina é outro aspecto que vamos investir e que provou dar certo neste período de pandemia”, ressaltou.

Quanto à mobilidade urbana, o candidato defende uma “varredura” no atual contrato com o Consórcio Guaicurus que opera o transporte coletivo de Campo Grande, mas também estimular outras formas e cita os aplicativos de mobilidade a simplificação das regras nas modalidades já existentes. E para facilitar a vida do campo-grandense que precisa dos serviços públicos, Scarpanti pretende criar Centros de Atendimento ao Cidadão nas 7 regiões urbanas da cidade. A descentralização é para agilizar a prestação do serviço por meio de Poupa Tempo Empresarial e do Poupa Tempo ao Cidadão.  

E durante toda a sabatina, o candidato salientou que se o eleitor procura renovação é preciso eleger nomes que não fazem parte da continuidade política. “Não tem como ter resultados diferentes votando nos mesmos políticos em todas as eleições. Precisamos de práticas diferenciadas na administração pública”, defende.

Guto Scarpanti foi o sexto candidato a participar da Rodada de Entrevista. Cada um dos concorrentes ao cargo terá a oportunidade de falar sobre seus projetos de governo no Programa Balanço Geral (TV MS Record), Noticidade (FM Cidade 97) e Diário Digital. A ordem de participação foi definida por meio de sorteio realizado na presença de todos os representantes de partidos e coligações em reunião preliminar na sede da Rede MS, no dia 08 de outubro. 

No programa Balanço Geral MS a entrevista começa às 11h40. A duração é de 12 minutos, sendo 10 minutos de perguntas e respostas e dois minutos para as considerações finais. No Noticidade a sabatina começa na sequência, a partir das 12h também com duração será de 12 minutos. Na televisão e na rádio, as entrevistas são conduzidas pela jornalista Ellen Genaro.

Todos os procedimentos da Rodada de Entrevistas atendem à legislação eleitoral e também as medidas de biossegurança em virtude da pandemia do novo coronavírus. Nesta terça-feira (27) o entrevistado será o candidato do PSL, Vinícius Siqueira.

Veja Também