• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Imunização

Estado alinha, com municípios, mutirão para aplicar 275 mil doses de vacina em sete dias

A ideia é que no próximo sábado seja o “Dia D”, com a aplicação de primeira, segunda e terceiras doses

(Foto: Luciano Muta)

O governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES) está propondo, junto aos 79 municípios sul-mato-grossenses, a realização de um mutirão de vacinas, visando a aplicação de ao menos 275 mil doses do imunizante contra o coronavírus, num período de sete dias. A proposta foi feita na reunião da Comissão Intergestores Bipartite - CIB (que reúne os gestores municipais e a SES) realizada nesta quarta-feira (22). A ideia, também, é que no próximo sábado seja realizado o “Dia D” da vacinação, com a disponibilização de primeira, segunda e terceiras doses para os públicos específicos.

De acordo com o secretário estadual de Saúde Geraldo Resende, o presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul) prefeito de Nioaque Valdir Júnior, já anunciou o apoio da entidade ao mutirão.  A SES aguarda ainda o posicionamento do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems), presidido pelo secretário municipal de Saúde de Corumbá, Rogério Leite.

“Essa semana, distribuímos aos municípios, 275 mil doses de vacinas, entre AstraZenca, Pfizer e CoronaVac. Já havíamos recebido quantitativo na semana passada, temos estoques nos municípios e precisamos fazer esse mutirão tanto para evitar que vacinas fiquem estocadas em geladeiras, quanto para oportunizar a todos o direito de tomar a vacina”, salientou Geraldo Resende.

O secretário apontou a união de esforços entre Estado e Municípios como o fator que tem levado Mato Grosso do Sul a ser o primeiro em vacinação, no ranking nacional. “Essa unidade é muito importante e nos faz muito felizes quando vemos nosso Estado pontuar como o que melhor utiliza as doses que recebe. Com a proposta do mutirão, vamos intensificar a busca ativa para que todos completem o ciclo vacinal ou mesmo tomem a dose de reforço, como por exemplo os idosos e pessoas com deficiência que estão em instituições de acolhimento”, conclui.