• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Sistema Penitenciário

Juiz ouve relatos sobre falta de colchões em presídio

Situação em penitenciária será resolvida, mas nem todas as reivindicações dos detentos podem ser atendidas

  • 19 fev 2021
  • Valdelice Bonifácio e Marina Romualdo
  • 17:33
Juiz chega para visita em Presídio da Gameleira (Foto: Marco Miatelo)

O juiz corregedor Fernando Cury visitou a Penitenciária de Regime Fechado da Gameleira em Campo Grande (MS) onde detentos fizeram greve de fome em protesto às condições do local.

Os internos reclamavam da comida que estaria chegando estragada, falta de colchões nas celas e de atendimento em saúde.

Conforme o juiz, o prédio da penitenciária que é nova – foi inaugurada em 2019 – está em boas condições.

Porém, confirmou a existência de situações que precisam ser melhoradas, como a falta de colchões, por exemplo.

Segundo informações obtidas por Cury, junto a direção da penitenciária, novos colchões chegarão na semana que vem.

Em relação à comida, haverá uma apuração, pois, segundo os internos, ela estava chegando azeda aos detentos.

Ainda conforme o relato de Cury, os presos também estariam reivindicando mais tempo de banho de sol. Contudo, o magistrado ponderou que nem todas as reivindicações podem ser atendidas por questões de segurança.

Ele citou que o presídio abriga detentos que integram facção criminosa. "Toda a situação será resolvida em breve".

Hoje pela manhã, detentos que participam da greve de fome teriam passado e mal e levados à enfermaria da unidade penal.

No entanto, o magistrado esclareceu que nesta tarde o clima na penitenciária é de total tranquilidade. O Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) reforçou a segurança no local durante a visita do juiz.

Famílias em vigília Desde que a greve foi deflagrada no sábado passado, dia 13, famílias dos internos estão em vigília permanente no local.

Nesta sexta-feira, após a visita do juiz, os parentes ficaram mais tranquilos e encerrarão o movimento em frente a penitenciária.

A unidade prisional abriga atualmente 550 internos, sendo que cerca de 150 teriam aderido à greve de fome que agora já estaria finalizada.

Veja Também