• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Campo Grande

Casal que matou vizinho em banheiro de quitinete continua foragido

Corpo de Hudson Thiago de Souza, 28 anos, foi encontrado um dia depois da morte, na noite de 29 de março

Banheiro onde a vítima foi encontrada (Foto Luciano Muta)

A polícia ainda tenta localizar o casal suspeito de matar a facadas Hudson Thiago de Souza, de 28 anos, em uma vila de quitinetes, no Bairro Jardim Noroeste, na Capital. O corpo foi encontrado um dia após o assassinato na noite de segunda-feira, 29 de março, com a faca usada no crime, dentro do banheiro da casa do vizinho da vítima.

O caso é investigado pela 3ª DP (Delegacia de Polícia Civil) e, segundo o delegado, várias testemunhas foram ouvidas. “Não temos dúvidas da participação de ambos no crime. As investigações estão avançadas, mas ainda estamos à procura do casal”, afirmou Ricardo Meirelles.

O suspeito de 37 anos fugiu na noite de domingo, 28 de março, junto com a esposa e mentiu aos familiares da vítima dizendo que não sabia onde o vizinho estava.

A vítima ficou um dia desaparecida, até um colega de trabalho dela arrombar a casa do vizinho e encontrar o corpo no banheiro, com a faca cravada no peito e uma camiseta que cobria a cabeça e pescoço de Hudson.

Dinâmica do crime - Hudson teria sido surpreendido e morto dentro do banheiro, pois não há sinais de violência em outra parte da casa. Como ele tinha um porte físico maior que do autor, a polícia acredita que o crime foi cometido pelo casal.

Por enquanto, não há confirmação sobre o motivo que levou ao assassinato, mas testemunhas disseram que Hudson e o vizinho tinham um bom relacionamento. Segundo o delegado, “eles tinham uma boa convivência tanto que ele (Hudson) foi convidado para ir à casa do autor e, aparentemente, estava tudo normal até que, em determinado momento, a vítima foi surpreendida e morta no banheiro”.

Também foi encontrado na cena do crime resquícios de cocaína que pelas investigações seria do autor que era usuário.

Relembre o caso - A esposa de Hudson contou à polícia que tinha visto o marido pela última vez no domingo, 28 de março, quando ele chegou em casa e, por volta das 18h30, disse que iria até a quitinete de “Mano”, apelido do vizinho, para beber.

Hudson ficou na varanda da quitinete bebendo com “Mano” e a esposa do vizinho. A mulher disse aos policiais ter notado que depois o casal e o marido dela entraram no imóvel e apenas os moradores deixaram o local.

Antes do casal ir embora, aproximadamente 21h30, a esposa da vítima chegou a perguntar ao suspeito onde o marido estava e ele respondeu que Hudson havia saído e não estava na casa dele. Ainda na noite de domingo, o filho da vítima foi procurar pelo pai na casa do vizinho e notou que ela estava vazia e trancada. Ele encontrou o chinelo de Hudson na varanda e contou a mãe.

Na manhã de segunda, a mulher voltou a bater na casa do vizinho e ninguém respondeu. Procurou o marido pela redondeza e não o encontrou. Então, o colega de trabalho de Hudson foi até a residência perguntar sobre ele e soube que a vítima estava desaparecida.

Horas depois, o rapaz retornou e, novamente, perguntou por Hudson. Desconfiado, o amigo da vítima abriu a janela da cozinha, entrou na quitinete do vizinho e encontrou o corpo.

Veja Também