• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Mundial de Ginástica

Brasil fecha participação no melhor Mundial de sua história

Brasil conquistou um ouro e uma prata, com Rebeca Andrade

Rebeca Andrade (Foto: Divulgação/ R7)

 Brasil finalizou neste domingo sua melhor participação no Mundial de Ginástica. Pela quarta vez em sua história, o País obteve duas medalhas numa mesma edição do evento. Em Kitakyushu, o Brasil conquistou um ouro e uma prata, com Rebeca Andrade, respectivamente no salto sobre a mesa e nas paralelas assimétricas. Em 2007, o País conseguiu um ouro e um bronze e, em 2011 e 2014, conseguiu uma prata e um bronze.

Neste domingo, Rebeca repetiu o melhor resultado da história da participação brasileira na trave em Mundiais. A campeã olímpica igualou a sexta posição obtida por Flávia Saraiva na edição de Stuttgart-2019.

A ginasta sofreu uma queda logo na entrada do aparelho, o que a tirou da luta pelo pódio, que seria bastante possível. Basta lembrar que a japonesa Mia Murakami, que se classificou para a final com a mesma nota de Rebeca (13.400), acabou obtendo o bronze, com 13.733. Na final, seis das nove participantes sofreram quedas.

Mesmo com a queda, Rebeca não se abalou e deu continuidade à série com qualidade. “Na ginástica, tudo pode acontecer, e a gente tem que manter a cabeça firme, mesmo com a queda, e terminei bem em um aparelho em que tenho mais insegurança. Mantive a concentração e o controle do meu corpo”.

Muito tranquila na entrevista, Rebeca mostro personalidade nas respostas. “Sou um ser humano, não sou um robô. Não sou programada para acertar tudo”.

Caio Souza, o primeiro brasileiro a se classificar para uma final de Mundial nas barras paralelas, obteve a sétima posição, com a nota 14,566. O ginasta de Volta Redonda conseguiu uma boa execução.

“Estou feliz com o que apresentei hoje. Isso prova que sou capaz demais nas paralelas. Se fosse resumir, diria que eu posso. Pode ter certeza de que vou voltar ao Brasil, dar uma descansada e focar nos aparelhos em que tenho chances e naqueles que são meus calcanhares de Aquiles”.

(Informações Confederação Brasileira de Ginástica)