• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Energia

Movida a gás, usina tem capacidade para abastecer metade da Capital

Todas as máquinas da unidade já estarão em funcionamento até a próxima semana

(Foto: Divulgação)

A Usina Termoelétrica William Arjona, em Campo Grande, MS, enfim, está em funcionamento. A unidade foi reinaugurada nesta semana, após quatro anos paralisada.

A termoelétrica, movida a gás natural, tem capacidade para gerar 190 MW de energia, o suficiente para atender metade do consumo da capital sul-matogrossense.

A unidade foi adquirida pelo Grupo Delta Energia e reativada em virtude das secas em diversas regiões do país. A usina é vista como alternativa para suprir a demanda de energia elétrica em face da crise hídrica que o Brasil atravessa.

A reinauguração da unidade atraiu, inclusive, o ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque.

(Foto: Saul Schramm/Governo de MS)

“Uma usina que estava parada desde 2017 e que num esforço do Governo Federal, junto com o Congresso Nacional, que viabilizou diversos projetos para o setor de energia, seja o setor elétrico, seja o setor de petróleo e gás, criaram o ambiente para que esse empreendimento aqui voltasse a operar”, disse.

A unidade já começou as atividades desde 10 de julho. Todas as máquinas já estarão em funcionamento até a próxima semana.

“A unidade vai converter gás natural em energia e assim contribuir com o setor elétrico de Mato Grosso do Sul, além da geração de empregos e arrecadação ao Estado”, disse o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel.

Metade da Capital poderia ser abastecida com energia gerada pela usina (Foto: Prefeitura de Campo Grande)

A Usina Termoelétrica William Arjona é um dos 22 empreendimentos que estão sendo implementados em Mato Grosso do Sul, sendo 21 de energia renovável. Os investimentos no setor no estado chegam a R$ 4 bilhões e a previsão é que gerem 15 mil empregos.  

Metade de Campo Grande - O presidente do Grupo Delta, Luiz Fernando Viana, ressaltou que a energia produzida na unidade equivale a 50% do consumo de Campo Grande. “Entramos em operação no dia 10 de julho já com três máquinas, que produz 120 megawatts, na semana que vem vão funcionar as cinco (máquinas), chegando a nossa capacidade de 190 megawatts”.

Viana revelou que já existe um estudo para ampliar ainda mais esta capacidade máxima. Sobre o gás natural utilizado, a previsão é de 1.350.000 metros cúbicos diários com o uso das cinco máquinas.

(Foto: Divulgação)

Para o presidente da MSGás, Rui Pires, a reativação da termelétrica vai contribuir com a economia estadual. “O Estado ganha bastante. Toda vez que entra o gás no Brasil, gera ICMS ao Estado. Também contribui ao Brasil, já que estamos diante de uma crise hídrica, a pior dos últimos 91 anos”.

Uso consciente - A reativação de usinas termoelétricas reflete a falta de chuvas que o país vem enfrentando, principalmente no Sudeste e Centro-Oeste, e que afeta o nível das usinas hidrelétricas, responsáveis por 65% da matriz energética brasileira.

Em virtude disso, o Governo pede que a população adote medidas de consumo consciente para evitar o desperdício.

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Conheça algumas dicas do que você pode fazer para ajudar a economizar energia:

Desligar o chuveiro enquanto estiver ensaboando

Usar lâmpadas de LED, que são mais econômicas

Deixar a torneira fechada enquanto se escova os dentes

Desligar equipamentos da tomada antes de sair de casa

Manter aparelhos eletrônicos desligados quando não estiverem sendo utilizados

Aproveitar a luz do sol durante o dia e manter as lâmpadas desligadas

Ajustar o chuveiro para a posição verão nos dias mais quentes

Não secar roupas atrás da geladeira e abrir a porta do refrigerador somente quando for necessário

Manter portas e janelas fechadas quando o ar condicionado estiver ligado e desligá-lo sempre que se ausentar do ambiente

Diminuir a frequência do uso do ferro de passar, assim como da máquina de lavar roupas.

A Agência Nacional de Energia Elétrica recomenda que os consumidores só comprem equipamentos que consumam menos energia, com selo Procel da classe A.

Veja Também