• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Caso Marielly

Presídio admite “equívoco” e defesa diz que Hugleice vai se apresentar nas próximas horas

Hugleice estava preso em Rondonópolis acusado do aborto da cunhada e de esfaquear a esposa

Marielly que morreu aos 19 anos após aborto malsucedido e Hugleice (Fotos: Reprodução)

Acusado de ajudar a cunhada Marielly Barbosa, de 19 anos,  a fazer aborto que resultou na morte da jovem e jogar o cadáver dela em um canavial em Sidrolândia (MS), em 2011, Hugleice da Silva, 37 anos, disse ao advogado de defesa que vai se apresentar à polícia nesta quarta-feira (2). Ele foi solto após um erro da Penitenciária Major Eldo de Sá Correa, conhecida como Mata Grande, em Rondonópolis (MT), onde estava preso.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) esclareceu ao Diário Digital por meio de nota que Hugleice recebeu alvará de soltura expedido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul via malote digital, na sexta-feira (28) e em consulta a todos os meios disponíveis aos servidores, não encontrou processo em aberto, por isso ele foi colocado em liberdade.

Porém, o acusado ainda deveria estar preso preventivamente pela tentativa de feminicídio da esposa Mayara Bianca Barbosa Rodrigues, na época com 29 anos, no dia 18 de novembro de 2018, em Rondonópolis. Já que a justiça do Mato Grosso ainda não analisou o pedido de habeas corpus feito pela defesa.

Segundo a Sesp, o engano está relacionado a este processo que corre em segredo de justiça. “Com relação ao mandado de prisão preventiva de 2018, por tentativa de homicídio, foi verificado posteriormente que estava juntado ao prontuário penal. Entretanto, por equívoco, a unidade entendeu que se tratava do mesmo processo do alvará de soltura, pois não constava listado nos bancos de dados disponíveis”, informa a nota.

Após ser informada do fato pelo Ministério Público, a direção da unidade efetuou diligências na cidade de Alto Taquari (MT) e no endereço antigo de Hugleice, em Rondonópolis, para recaptura-lo, mas ele não foi localizado.

O advogado José Roberto Rodrigues da Rosa informou a reportagem que está “organizando a apresentação do cliente para as próximas horas”.

Nota da Sesp (MT) na íntegra

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) esclarece que o recuperando Hugleice da Silva recebeu alvará de soltura expedido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul via malote digital, na sexta feira (28.08). A Penitenciária Major PM Eldo Sá Corrêa (Mata Grande), em Rondonópolis, em consulta a todos os meios disponíveis aos servidores, não encontrou processo em aberto, por isso ele foi colocado em liberdade.

Com relação ao mandado de prisão preventiva de 2018, por tentativa de homicídio, foi verificado posteriormente que estava juntado ao prontuário penal. Entretanto, por equívoco, a unidade entendeu que se tratava do mesmo processo do alvará de soltura, pois não constava listado nos bancos de dados disponíveis. A direção da Penitenciária ressalta que este processo tramita em segredo de justiça, por isso não está disponível para averiguação por meio dos sistemas de consulta pública do CNJ, TJMT e PJ-e, utilizados pelos servidores nas checagens de processos e alvarás de soltura.

Após ser informada do fato pelo Ministério Público, a direção da unidade efetuou diligências na cidade de Alto Taquari e no endereço do recuperando, em Rondonópolis, para recaptura-lo, porém, sem êxito. A direção da unidade informa que o advogado dele entrou em contato, na noite desta terça-feira (1º/09), informando que seu cliente irá se apresentar e se colocar à disposição da justiça.

Veja Também