• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Pandemia

Pastor ignora lacre em igreja e tenta realizar novo culto

Líder religioso ignorou medidas previstas em decreto e foi barrado pela equipe da Guarda Civil Metropolitana

Aglomeração em frente à igreja lacrada pela fiscalização (Foto: Guarda Civil Metropolitana)

O pastor que desrespeitou as medidas estabelecidas em decreto municipal de prevenção ao novo corona vírus e ainda agrediu verbalmente equipe da Guarda Civil Metropolitana na quinta-feira (30) foi flagrado novamente tentando realizar culto na noite de ontem (31). A igreja evangélica fica no Jardim Centro-Oeste, em Campo Grande.

De acordo com a Guarda Civil Metropolitana a equipe voltou até o local nesta sexta-feira e encontrou cerca de 30 pessoas. O pastor foi questionado sobre o lacre deixado pela equipe da GCM, mas ele alegou que não teria rompido, pois a porta ao lado não tinha sido lacrada.

Ainda segundo a GCM, todas as portas do salão foram lacradas e o responsável se comprometeu a não abrir mais o templo.

Diante da situação os guardas civis orientaram para que pessoas voltassem para casa e solicitou ao pastor não desrespeitar a interdição, sujeito a ser encaminhado a delegacia.   

Entenda o caso: Na noite de quinta-feira (30), uma igreja não respeitou o decreto municipal do toque de recolher às 20h, em Campo Grande, e o pastor, 50 anos, foi autuado por desacatar equipes da Guarda Civil Metropolitana, fiscais da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) e um promotor durante fiscalização. No local havia aglomeração e as pessoas estavam sem máscaras.

Segundo as autoridades, no culto estavam pelo menos 50 pessoas que quando a fiscalização chegou pedindo para que o pastor encerrasse o culto, passaram a orar do lado de fora, em frente à igreja. O homem ofendeu os servidores e disse que eles eram “corruptos, ladrões, assaltantes, só querem dinheiro...”.

Mesmo diante das orientações, segurando a bíblia na calçada, o pastor afirmou: “O Covid não existe, quem manda aqui é Deus, e não promotor, prefeito ou governador."

De acordo com informações da Guarda Municipal, o pastor vai responder por desacato, infração de medida sanitária preventiva e desobediência. Os fiscais fizeram o auto de infração, mas ele se recusou a assinar e ainda rasgou na frente das autoridades.

Ainda segundo informações, no local estavam várias crianças e idosos e para evitar mais tumulto, o pastor não foi preso em flagrante.

Veja Também