• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Campo Grande

Nove jovens sentam no banco do réus em julgamento envolvendo facções criminosas

Julgamento pode durar até dois dias, pela quantidade de réus e testemunhas que devem ser ouvidos

  • 26 out 2021
  • Yara Borges e Thays Schneider
  • 9:14
Julgamento começou na manhã desta terça-feira (26) (Foto Luciano Muta)

A sessão de julgamento dos nove jovens acusados de decapitar Joyce Viana Amorim de 22 anos, no "Tribunal do Crime" em 2018 teve início na manhã desta terça-feira (26), no Tribunal do Júri, em Campo Grande.

Os réus são: Danilo de Souza Brito, Ghian Lucas Martinez, Lucas da Silva, Marcos Felipe Dias Lopes, Miriã Helena Julio Paschuin, Isabella Sanches dos Santos, Davi Miguelão, Eloir Anjos dos Santos e Welisson de Souza Silveira.

Danilo de Souza Brito e Ghian Lucas Martinez, estão sendo representados pelo defensor público Ronald. Lucas da Silva e Marcos Felipe Dias Lopes, estão sendo representados pelo defensor público Rodrigo Stochiero. Já Miriã Helena Julio Paschuin e Isabella Sanches dos Santos, estão sendo representadas pelo defensor público Gustavo.

Foto Luciano Muta)

A advogada Gabriella Rolon Godoy representa o réu Davi Miguelão e o advogado Cristiano Alves Pereira representa Eloir Anjos dos Santos. Já o réu Welisson de Souza Silveira é representado pelo advogado Mario Augusto Garcia Azuaga.

O grupo está sendo acusado de cometer o crime por vingança, com requintes de crueldade. Segundo as informações, Danilo de Souza Brito teria começado a cortar o pescoço com a mulher ainda viva.

Em um vídeo gravado minutos antes do crime, Joyce Viana de Amorim, confessou que fazia parte da facção criminosa denominada Comando Vermelho.

Em entrevista à reportagem, o defensor público Rodrigo Stochiero, que irá defender Lucas da Silva e Marcos Felipe Dias Lopes afirmou que "o papel da defesa é de estabelecer a responsabilização correta do acusado".

De acordo com o juiz Carlos Alberto Garcete, a sessão de julgamento deve ser longa. "Por ser um julgamento de uma facção criminosa, um julgamento envolvendo muitos acusados e por se tratar de um caso com grande repercussão, há possibilidade de se estender por dois dias e terá um esquema reforçado de segurança", afirmou.

CRIME

No dia 14 de maio de 2018, Joyce Viana de Amorim de 22 anos, que estava desaparecida 10 dias, foi encontrada em uma estrada vicinal, sem a cabeça e com as mãos amarradas.

Segundo informações, o que teria motivado o crime é que Joyce tirou satisfação sobre um chinelo furtado e teria afirmado que fazia parte da facção criminosa, comando vermelho. Momento que a jovem teria sido feita refém e forçada a gravar um vídeo onde confessou que fazia parte da facção criminosa e logo após, foi decapitada ainda viva.

Segundo investigações, a DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio), identificou a participação de dez pessoas e três adolescentes no crime, porém um dos acusados teria morrido antes de ser julgado.