• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Avenida Júlio de Castilho

Motorista envolvido em ‘racha’ que matou jovem está preso na Máxima

Enfermeiro Willian Goes recebeu alta médica na quinta-feira; prisão preventiva estava decretada

Willian Goes Abbade estava dirigindo embriagado e em alta velocidade (Foto: Reprodução/Rede Social)

Enfermeiro Willian Goes Abbade, de 36 anos de idade, que conduzia o veículo modelo Ford Ka durante o 'racha' quando colidiu em um poste de energia no dia 16 de Abril, na avenida Júlio de Castilho, em Campo Grande (MS) recebeu alta médica da Santa Casa na quinta-feira (12). No acidente, a jovem Roberta Coelho, de 25 anos, morreu no local.

O motorista estava internado desde o dia da colisão e teve a prisão preventiva decretada no dia 18 de Abril. A Defesa entrou com pedido de liberdade alegando que Willian, é réu primário com residência fixa e emprego lícito, porém, o pedido foi negado duas vezes pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Desta forma, na quinta-feira (12) após sair da unidade de saúde, o enfermeiro foi encaminhado ao presídio de segurança máxima da Capital. Willian estava embriagado e dirigindo o veículo a mais de 100 km/h.

Acidente ocorreu na madrugada deste sábado após 'racha'
(Foto: Roberta Martins)

O caso – Acidente ocorrido na madrugada deste sábado (16) deixou uma pessoa morta e seis feridas na Avenida Júlio de Castilho, Bairro Jardim Panamá, em Campo Grande. O veículo modelo Ford Ka colidiu com poste de energia, que ficou prestes a cair.

No carro ocupado por sete pessoas, foram encontradas diversas latas de bebidas alcoólicas. Informações policiais são de que o condutor estava em "racha" com outro veículo, um Gol de modelo antigo, que fugiu do local. O motorista já foi identificado e a Polícia segue em busca pelo autor.

Com impacto da batida, a câmera de segurança parou de funcionar, pois a energia elétrica do bairro ficou prejudicada. Informações de um funcionário da Energisa são de que cerca de 3000 imóveis tiveram queda de energia após a colisão, porém apenas 47 continuam sem.

Na data, compareceram ao local do acidente o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar, além de equipe de perícia da Polícia Civil e socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Veja Também