• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Saúde Pública

Mosquitos com bactérias serão liberados em Dezembro em bairros da Capital

Liberação ocorrerá no Guanandi, Aero Rancho, Batistão, Centenário, Coophavila II, Tijuca e Lageado

(Foto: Divulgação)

A prefeitura de Campo Grande, em parceria com o Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz, o Governo do Mato Grosso do Sul e o World Mosquito Program (WMP Brasil), inicia no próximo dia 10 de dezembro, a liberação dos mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia em sete bairros da capital: Guanandi, Aero Rancho, Batistão, Centenário, Coophavila II, Tijuca e Lageado.

As liberações em Campo Grande serão realizadas diariamente, durante 16 semanas, por equipes da prefeitura, com apoio das equipes do WMP Brasil.

O trabalho de engajamento comunitário segue em realização, mobilizando equipes de saúde, da rede pública de ensino e lideranças sociais. No próximo semestre, os bairros a receberem os mosquitos são Alves Pereira, Centro Oeste, Jacy, Jockey Club, Los Angeles, Parati, Pioneiros, Piratininga, Taquarussu, Moreninha e América.

Também no dia 10 será inaugurada a Biofábrica do Método Wolbachia na cidade. O evento contará com a presença do Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, do diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Laurício Monteiro Cruz, da coordenadora-geral de Vigilância das Arboviroses, Noely Moura, do líder do Método Wolbachia no Brasil, Luciano Moreira, além de autoridades do Estado e do Município.

O projeto é resultado da descoberta de que o mosquito Aedes aegypti, quando contém a bactéria Wolbachia, tem sua capacidade reduzida de transmitir as três doenças citada.

A Wolbachia é uma bactéria intracelular presente em 60% dos insetos da natureza, mas que não estava presente no Aedes aegypti. Quando presente neste mosquito, ela impede que os vírus da Dengue, Zika, Chikungunya e febre amarela se desenvolvam dentro do mosquito, contribuindo para redução destas doenças. Não há modificação genética nem no mosquito, nem na bactéria.

O Método Wolbachia consiste na liberação de Aedes aegypti com Wolbachia para que se reproduzam com os Aedes aegypti locais e gerar uma nova população destes mosquitos, todos com Wolbachia. Uma vez que os mosquitos com Wolbachia são liberados no ambiente, eles se reproduzem com mosquitos de campo e ajudam a criar uma nova geração de mosquitos com Wolbachia. Com o tempo, a porcentagem de mosquitos que carregam a Wolbachia aumenta, até que permaneça alta sem a necessidade de novas liberações.

Veja Também