• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record

A Polícia Militar Ambiental deflagra a operação Dia de Finados

As ações terão foco na intensificação preventiva à pesca predatória

PMA deflagra operação Dia de Finados dentro da operação Hot Point. (Foto: Divulgação/ PMMS)

A Polícia Militar Ambiental (PMA) deflagra a operação Dia de Finados, dentro da operação Hot Point. Com inicio nesta quinta-feira (28) e se encerrando no dia 03 de novembro. Mantendo o foco maior na intensificação preventiva à pesca predatória

Segundo a PMA, depois de uma operação tranquila no último feriado prolongado da Padroeira do Brasil, parte devido às fortes chuvas e temporais, as equipes se preparam agora para mais uma jornada de mais reforços ainda aos trabalhos de proteção aos recursos pesqueiros, no último feriado de pesca aberta, que será o de finados.

Desde o dia 1º de setembro, a PMA deflagrou a operação Hot Point de prevenção à pesca predatória, que previa englobar a operação Padroeira do Brasil, bem como a operação de finados, tendo em vista os feriados prolongados, quando se precisa destinar ainda mais policiais nos rios.

Ainda de acordo com as informações, os meses de setembro e outubro são os mais preocupantes relativamente à fiscalização de pesca, pois vários cardumes já se encontram formados. Por esta razão, a quantidade de turistas e pescadores se intensifica, exatamente, em razão das facilidades de captura do pescado neste período, aproveitando ainda os feriados prolongados.

Nesses feriados, então é que a fiscalização, que normalmente já é efetuada com bastante intensidade nesses dois últimos meses de pesca aberta, deve ser aumentada, e a PMA faz isso com uso de todo efetivo administrativo.

Por tudo isso, no dia 1º de setembro, a Polícia Militar Ambiental deflagrou a operação Hot Point que durará até 00h00 do dia 5 de novembro, durante a qual já foram autuados 57 pescadores e apreendidos 642 kg de pescado. As multas aplicadas foram de R$ 72.842,00. 

Além disso, foram apreendidos 5.728 metros de redes de pesca, 902 anzóis de galho, 15 boias e 35 cordas de espinheis, petrechos ilegais pelo seu alto poder de depredação de cardumes.

Dessa forma, esses meses são os mais críticos. Muita gente nos rios e muitas regras que precisam ser seguidas, e a PMA alerta que as penas são altíssimas.

Na parte criminal, a pessoa pode ser presa, algemada, se necessário, encaminhada à Delegacia de Polícia, onde é autuada em flagrante e ainda ter todo o produto da pesca, barcos motores e veículos apreendidos. Quanto a administrativa, a multa vai de R$ 700 a R$ 100 mil reais e mais R$ 20 reais por quilo do pescado irregular.

Serão utilizados 280 homens na fiscalização com foco especial aos trabalhos relativos a atividades que envolvem recursos pesqueiros, tanto em rios, como em estabelecimentos que desenvolvem atividades com o recurso.

(Com informações PMMS)

Veja Também