• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Campo Grande

Polícia Federal conclui que deputado Trutis forjou atentado

Inquérito da Polícia Federal será analisado pelo Supremo Tribunal Federal

(Foto: Divulgação – Câmara Federal)

A Polícia Federal conclui o inquérito que investigava o atentado contra o deputado Loester Carlos, o Trutis (PSL), denunciado pelo parlamentar em fevereiro do ano passado, e identificou que ele foi forjado. Conforme relatório encaminhado ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta semana, Trutis cometeu falsa comunicação de crime, porte ilegal de arma, disparo de arma de fogo e dano ao patrimônio privado.

Por ser parlamentar federal com foro privilegiado, cabe ao Supremo decidir se ele será indiciado pelos crimes ou não. O relatório deve ser analisado pela ministra Rosa Weber. Caso o indiciamento seja autorizado, a denúncia contra Trutis é feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

Além do deputado, também há provas contra Ciro Fidelis, assessor que o acompanhava no dia em que teriam simulado o atentado. O Diário Digital entrou em contato com o assessor do parlamentar, mas até a publicação da reportagem não houve resposta.

Em novembro do ano passado, Trutis foi detido e levado a sede da Polícia Federal, em Campo Grande, por porte ilegal de arma de uso proibido, durante a Operação Tracker, deflagrada para investigar o atentado.

Na época, em vídeo nas redes sociais, ele negou ter sido preso e afirmou ter ido à sede da PF para prestar esclarecimentos e levar documentos sobre a presença das armas em sua residência.

Desde o início das investigações, o deputado refutou as suspeitas de que teria forjado um atentado contra a próprio carro no dia 16 de Fevereiro de 2020. O suposto ataque aconteceu quando ele e o motorista seguiam para a cidade de Sidrolândia, a 70 km de Campo Grande. O veículo foi alvejado por, no mínimo, cinco tiros, na versão de Trutis.

Veja Também
Correios
Farejadores encontram maconha e cocaína postadas por traficantes via Correios

A droga seria enviada para A Polícia Rodoviária Federal (PRF), em uma ação conjunta com o Centro de Distribuição dos Correios (CDD) entre o Grupo de Operações com Cães (GOC/MS) e Setor de Coordenação de Segurança Corporativa da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, apreendeu diversas encomendas com drogas nesta quinta-feira (29), que seriam enviadas para os estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e até para Hong Kong