• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Aquidauana

Homem é condenado a 19 anos de prisão por assassinato da ex-mulher

O réu já havia cometido feminicídio em Várzea Grande em 1988

Carlos Alberto Mendonça e a vítima (Foto: Divulgação)

Carlos Alberto Mendonça foi condenado a 19 anos e 7 meses e três dias em regime fechado pelo assassinato da pastora Cida, crime que aconteceu no ano passado em Aquidauana (MS). O julgamento aconteceu na segunda-feira (28) e a defesa ainda pode recorrer da decisão.

O feminicídio aconteceu no dia 27 de Agosto de 2019 e, o processo corri em segredo de justiça. O júri só foi realizado na segunda-feira, já que os julgamentos estavam parados por conta da pandemia no novo coronavírus.

O crime teve agravante pois, Carlos cometeu o assassinato na frente do filho e da mãe da pastora. Além disso, a vítima tinha medidas protetivas conta ele.

O juiz Ronaldo Onofre comentou que o réu já havia cometido feminicídio na cidade de Várzea Grande (MT), no ano de 1988. Como na época, não existia o crime de feminicídio, o fato foi configurado como homicídio qualificado. Como o réu ficou tanto tempo escondido, o crime acabou prescrevendo e ele foi considerado réu primário pelo assassinato da pastora Cida.

Apesar do crime ocorrido há mais de 20 anos não ter efeito para o julgamento do feminicídio da pastora, o juiz comenta que utilizou o fato para manter a prisão preventiva. “Considerei esse episódio de Várzea Grande, pelo fato de ele ter se mantido escondido, como razão para justificar a manutenção da prisão preventiva caso ele venha a recorrer da sentença”, disse.

(Com informações: O Pantaneiro)