• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
UEMS

UEMS passa a integrar a Cátedra Sérgio Vieira de Mello

Objetivo é promover a educação, pesquisa e extensão acadêmica

(Foto: Divulgação)

Com projetos que têm como público-alvo a população refugiada e migrante internacional em situação de vulnerabilidade no Estado, a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) passou a integrar a Cátedra Sérgio Vieira de Mello (CSVM) no dia 20 de agosto de 2021.

Os projetos da UEMS têm a finalidade de promover a população refugiada e migrante ações que possibilitem sua maior inserção linguística, cultural e social, atuando na defesa de seus direitos, na assistência jurídica e humanitária, em sua integração laboral e sociocultural.

A Cátedra, como seu nome indica, é uma homenagem ao brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto no Iraque em 2003, e que dedicou grande parte da sua carreira profissional nas Nações Unidas ao trabalho com refugiados. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) é uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que atua para assegurar e proteger os direitos das pessoas em situação de refúgio em todo o mundo.

Promover a educação, pesquisa e extensão acadêmica voltada à população em condição de refúgio é um dos objetivos da ACNUR, que desde 2003 implementa a Cátedra Sérgio Vieira de Mello em cooperação com centros universitários nacionais. Ao longo dos anos, a Cátedra tem se revelado um ator fundamental para garantir que pessoas refugiadas e solicitantes de refúgio tenham acesso a direitos e serviços no Brasil, oferecendo valioso apoio ao processo de integração local.

O acordo de cooperação assinado entre UEMS e o ACNUR estabelece um plano de trabalho para os próximos dois anos com ações  voltadas para a educação, a pesquisa e a extensão. Dentre as ações previstas, espera-se difundir o ensino universitário sobre temas relacionados ao refúgio, como também promover a formação acadêmica e a capacitação de professores e estudantes dentro desta temática.

O trabalho direto com os refugiados em projetos comunitários é definido como uma grande prioridade. No caso da UEMS, ações para fomentar o acesso e permanência ao ensino, a revalidação de diplomas, assim como o ensino da língua portuguesa à população de refugiados vem sendo desenvolvido. A UEMS procura estimular a sensibilização da sociedade acolhedora e a reflexão pública por migrações seguras, ordenadas e regulares, o que por sua vez fortalece na Universidade a articulação de uma rede de ações de extensão socioassistenciais voltadas ao público migrante e refugiado no estado.

Para o coordenador da CSVM-UEMS, professor João Fábio Sanches Silva, o ingresso na Cátedra é a concretização de um sonho iniciado em 2017 com o início das atividades do Projeto UEMS Acolhe, oferecendo cursos de português como língua de acolhimento a migrantes em situação de vulnerabilidade. “Ao ingressar na CSVM, a UEMS passa a unir esforços com a Universidade Federal da Grande Dourados e a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, ambas representantes da Cátedra, no fortalecimento das ações para uma maior integração dos refugiados no Estado, em especial por meio da educação como instrumento de promoção social, de formação profissional, da aprendizagem da língua portuguesa, do acesso à cultura e da inclusão cidadã”, ressalta o docente.

Veja Também