• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Campo Grande

Notificações de dengue seguem em queda na Capital

Mesmo com redução de casos notificados, Sesau alerta que cuidados devem ser mantidos

Notificações de dengue se mantêm em queda na Capital (Foto:Divulgação/Arquivo Diário Digital)

As notificações de dengue se mantêm em queda em Campo Grande, no entanto o alerta é para que as medidas de prevenção continuem sendo intensificadas para evitar o aumento de casos da doença. A redução projetada para este primeiro bimestre é superior a 97%,  comparado com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

No início de 2020, Campo Grande enfrentou uma epidemia de dengue, sendo fevereiro o mês mais crítico. Somente nos dois primeiros meses daquele ano, foram registradas 10.132 notificações da doença no Município. Até o dia 22 de fevereiro de 2021, foram notificados 284 casos de dengue, o que representa uma redução de mais de 97%. Os casos de zika e chikungunya também são menores, caindo de 37 e 46 em 2020, para 3 respectivamente em 2021.

Redução

A partir de maio do ano passado, os casos foram regredindo significativamente até atingirem níveis menos alarmantes nos meses subsequentes, resultado do trabalho e esforço conjunto desprendido por todos os órgãos do executivo municipal.

À época, foi montada uma verdadeira operação de guerra contra o Aedes aegypti, denominada “Operação Mosquito Zero – É matar ou morrer”. Uma força-tarefa que percorreu as sete regiões urbanas de Campo Grande, executando as chamadas ações de bloqueio, vistorias e recolhimento de materiais inservíveis potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti, que além da dengue, é vetor da zika e da chikungunya, além de outras arboviroses com menor incidência.

Parte das ações de campo foram interrompidas a partir do final de março em razão da pandemia de Covid-19, porém o trabalho de rotina foi otimizado e continuou sendo realizado de forma estratégia, com uso de ferramentas a borrifação a Ultra Baixo Volume (UBV), popularmente conhecida como “Fumacê”.

Wolbachia

Em dezembro do ano passado o município iniciou a soltura dos mosquitos Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia, capaz de inibir a transmissão da dengue, zika e chikungunya, pelo mosquito. A tecnologia foi inserida como aliada nas ações de prevenção já desenvolvidas pelo município.

Veja Também