• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Educação

Enem digital: formato é diferente mas tem muitas semelhanças com prova tradicional

Professor de MS dá dicas para quem vai encarar exame pela primeira vez

Professor Guilherme conta que a modalidade digital merece atenção em alguns pontos (Foto: Divulgação)

Passadas as provas presenciais do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é hora da modalidade digital da avaliação. Tradicionalmente aplicado apenas de forma tradicional, as provas digitais são uma novidade para os estudantes brasileiros que pretendem ingressar ao Ensino Superior em 2021.

Em Mato Grosso do Sul, ele será aplicado para 2 mil inscritos, sendo 1,8 mil em Campo Grande (MS) e 200 em Dourados (MS). No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, o acesso à prova não será feito de casa. O aluno realizará o exame digital em instituições selecionadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A intenção do Ministério da Educação, inclusive, é que essa modalidade substitua 100% as provas tradicionais até 2026.

Para o professor que dá aulas de Química a alunos pré-vestibulandos de todo o Brasil há duas décadas, Guilherme Vargas conta que essa modalidade merece atenção em alguns pontos. Por isso, preparou um guia rápido para quem vai encarar o Enem digital no próximo fim de semana. Confira:

Modelo — no que diz respeito à estrutura da prova, ela é a mesma da versão tradicional. "Serão dois fins de semana de exames, com 4 provas objetivas contendo 45 questões cada uma e uma prova de redação que, por sua vez, será no modelo tradicional, manuscrita. O tempo de prova também é o mesmo, com cinco horas e meia de duração no primeiro domingo e cinco no segundo domingo. As questões, é claro, serão diferentes da prova ministrada nos fins de semana anteriores, mas terão níveis de dificuldade semelhantes", afirma.

Segurança — os computadores para a realização da prova são preparados especialmente para o ENEM. Sendo assim, o candidato não consegue utilizar softwares instalados nele e tampouco navegadores para acessar a Internet. Além disso, ele também não consegue fazer alguns comandos de teclado, como alt+tab, por exemplo. O ambiente virtual é totalmente dedicado à prova.

Ingresso — não há nenhuma diferença entre a validade das notas das modalidades presencial ou digital do Enem. Com ambas é possível ingressar no Ensino Superior, por meio do Sisu, ProUni e FIES. Além disso, sua pontuação também será aceita por instituições particulares que aceitam o ingresso direto utilizando sua nota no Exame Nacional.

Treino online — para Guilherme uma boa forma de se preparar para a prova digital é também estudando de forma digital. "Fazer simulados online, contabilizando o tempo é uma ótima dica. Utilizar plataformas digitais pode ajudar muito no seu desempenho e a notar quais pontos merecem mais atenção", pontua.

Caneta e máscara — apesar de ser realizada pelo computador, assim como na modalidade presencial, é necessário levar caneta esferográfica de tubo transparente da cor preta. Cada candidato receberá folhas de rascunho para fazer cálculos das provas de Matemática e Ciências da Natureza, mas, não terão folhas de respostas. Estas deverão ser marcadas pelo computador. O candidato também só poderá permanecer na sala se estiver utilizando a máscara corretamente.

Além dessas dicas, Guilherme Vargas pontua ainda que é necessário ter calma e bastante atenção nessa prova. "É um exame como o tradicional, só tem um formato diferente. Por se tratar de uma novidade, é preciso bastante concentração e tranquilidade. Lembre-se, aluno, você está preparado para essa etapa e pode dar o melhor de si, independente do tipo da prova", incentiva.