• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record

Procon autua seis agências bancárias em blitz de fiscalização

Falhas vão desde demora até a falta de informação clara sobre a prestação dos serviços

Após denúncias Procon fez blitz em agências bancárias de Campo Grande (Foto: Divulgação Procon)

 Em atendimento às denúncias constantes de consumidores que se sentiram prejudicados em função  do mau atendimento, equipes de fiscalização da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, realizaram diligências em 12  agências bancárias entre os dias 15 e 23 de setembro.

Durante a realização desse trabalho foram expedidos  seis autos de infração e seis relatórios de visita – quando não se  confirma a irregularidade denunciada. A verificação ocorreu em  cinco agências do Bradesco, três do Santander, duas do banco do Brasil, uma da Caixa Econômica Federal e outra do Itaú. Em se tratando de irregularidades, foram autuadas  três agências do Bradesco, duas do Santander e uma da Caixa.

As reclamações  dos consumidores são, em maioria, o tempo de espera para atendimento e o fato de terem de aguardar, via de regra,  fora das agências para evitar aglomerações internamente. Ficou constatado que, mesmo expostas, as pessoas não recebem senhas que possam demonstrar o tempo que estão aguardando. As senhas só são entregues – quando ocorre – no momento que entram nas agências e sem discriminação do serviço que necessitam ou se se trata de cliente preferencial.

A maioria  das agências não expõe qualquer forma  de informação a respeito do horário de expediente, deixando o consumidor ainda mais  vulnerável e,  por vezes, permanecendo muito tempo em fila e saindo sem ser atendido por ter expirado o tempo. Outro problema constatado foi a dificuldade de liberação de clientes aos caixas quando da necessidade  de descontar cheques. Na Caixa houve, inclusive, a afirmação de que isso não se tratava de serviço essencial.

Em função da pandemia e da facilidade para a propagação  da Covid 19,  foram constadas outras irregularidades tais como o distanciamento entre as pessoas nas  filas e a falta de álcool em vários dos locais fiscalizados o que, atualmente, se configura desobediência às normas que visam evitar o contágio.

Veja Também