• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Transtorno

Moradores de ‘condomínio que alaga’ temem reviver pesadelo

Famílias contratam seguro para cobrir prejuízos e aguardam providências de construtora e prefeitura

Juliana e Hugo mostram os reparos que fizeram para amenizar os impactos da chuva. (Foto: Marco Miatelo)

Quando tempo em Campo Grande (MS) fecha, ameaçando chover, os moradores do Residencial Guaicurus ficam aflitos e com medo. Localizado na Avenida Guaicurus, no Jardim Monumento, o local já é conhecido como o 'condomínio que alaga'.

Atualmente, são 19 casas dentro do Residencial. Em fevereiro desse ano, os moradores viveram um verdadeiro pesadelo por conta do alagamento causado pela chuva.

Além dos riscos à integridade física, houve prejuízos. As famílias vivem com medo de a situação se repetir.

Naquela noite do terror, em fevereiro, dos muros que cercam o condomínio foi derrubado, para dar vazão à forte corrente de água. Os moradores tiveram que fazer buracos nas paredes. Além de móveis destruídos, um dos moradores teve seu carro invadido pela água da chuva.

A síndica Juliana Ferreira de Aquino e os moradores contrataram um serviço de Seguro, para que fossem feitas manutenções no condomínio devido aos danos causados pela chuva.

"Quando chega a época de chuva, não ficamos em paz pensando em nossas casas. Através da contratação do Seguro, instalamos câmeras no interior do condomínio, no intuito de monitorar a situação. Se caso algum morador não esteja em casa, poderá acompanhar o que está havendo à distância", explica a sindica.

Hugo Cezar Fernandes é morador do condomínio desde 2019. Ele afirma ter se sentido em um filme de terror e relata que sua vida esteve em risco. "Eu mesmo tive que me segurar em um poste para não ser arrastado pela chuva".

O sonho da casa própria para ele e muitos dos moradores do condomínio, se tornou em pesadelo. Indignados, eles alegam ainda não serem assistidos pela construtora das casas.

"Após o episódio do alagamento nesse ano, em momento algum ninguém por parte da construtora nos procurou para saber se estávamos bem, para saber dos prejuízos", conta Hugo.

Em contato com a Construtora, o representante administrativo Guilherme Cury explicou que "tudo o que é de obrigação e dever por parte da Construtora, já foi feito."

Ele afirma ainda que a empresa tem quatro laudos administrativos que amparam a continuidade das moradias no local. "Fizemos uma solicitação junto a prefeitura, para que fosse feito sistema de drenagem na região, pois infelizmente é uma ação que não depende somente de nós".

Ainda sobre o seguro contratado pelos moradores, Guilherme disse que, todo condomínio tem um manual. Onde esse manual orienta a contratação do seguro, mas que é de total responsabilidade dos moradores.

Procurada, a prefeitura encaminhou resposta através da assessoria de imprensa. "Quem autoriza a construção é a Semadur. Só com a implantação de drenagem e pavimentação nas vias transversais a Avenida Guaicurus, o problema será resolvido. A prefeitura está tentando viabilizar recursos para a obra."

Os moradores acionaram a justiça contra a construtora, e aguardam a tramitação do processo.

Veja Também