• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto

Geral

Cinco formas de ganhar dinheiro com a reciclagem

Quarta-feira, 09 Janeiro de 2019 - 17:39 | Redação


Quando pensamos em reciclagem, logo vem à mente aquele produtos feitos com materiais reaproveitados, como uma árvore de Natal, não é mesmo? Mas não é só isso. O que muitos não sabem — ou ainda não se deram conta — é que a reciclagem consiste em um mercado que pode ser bastante lucrativo. Hoje, empresas como a VG Resíduos, por exemplo, permite a compra e venda de resíduos industriais a fim de reduzir os gastos, aumentar o lucro através de reciclagem em qualquer indústria.

Já pensou poder ajudar o meio ambiente e ainda ganhar dinheiro? A tendência é que essa atitude esteja cada vez mais presente no país, por causa da aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Em 2010, quando as regras foram aprovadas, apenas 443 cidades faziam a coleta seletiva. De acordo com a Compromisso Empresarial pela Reciclagem, esse número subiu para 1.227 em 2018.

No contexto nacional, esse índice ainda é pequeno, pois representa apenas 22% do total de municípios brasileiros. Ou seja: esse mercado vai crescer (e muito) nos próximos anos. Confira abaixo algumas formas de ganhar dinheiro com a reciclagem!

Lixo eletrônico - Embora a produção e consumo de aparelhos eletrônicos não pare de crescer, a destinação correta desses produtos não caminha na mesma direção. De acordo com relatório da ONU, em 2016 o mundo produziu cerca de 44 milhões de toneladas de lixo eletrônico. Porém, apenas 20% disso foi reciclado. Isso é bastante prejudicial ao meio ambiente, quando pensamos que muitas peças dos equipamentos possuem substâncias tóxicas. 

Portanto, vender as peças de celulares, tablets e computadores pode ser uma ótima solução para os dois lados: tanto para quem vai reaproveitá-las quanto para quem vai ganhar por tomar a atitude certa. 

Roupas - Mesmo parecendo inofensivas, as roupas podem poluir rios e lagos, por causa da tintura de que são produzidas. Além disso, de acordo com artigo da BBC, a indústria da moda está em 2º no ranking de setores poluentes. Esse prejuízo se deve à viscose, uma fibra artificial que tem gerado a derrubada de 70 milhões de árvores anualmente. 

Pensando nisso, vale a pena pensar em um destino mais nobre para essas peças. Por que não um brechó? Atualmente, diversas pessoas liquidam o guarda-roupa, sem nem precisar abrir as portas de casa, apenas pela internet. Basta utilizar as redes sociais com sabedoria para encontrar uma série de grupos com o mesmo objetivo. 

Artesanato - Para quem tem aptidão, vale a pena fazer artesanato com materiais reutilizados. Existem diversos vídeos na internet que ensinam a produzir materiais de escritório, acessórios e artigos decorativos gastando muito pouco. E o que é melhor: com alto potencial de lucro. As peças produzidas podem ser vendidas on-line ou em alguma feira de artesanato. 

Vender o lixo - Sabia que a má destinação do lixo tem feito o Brasil perder bilhões de reais? Isso mesmo. De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), o país descarta 76 (setenta e seis) milhões de toneladas de resíduos. Desse total, 30% poderia ser reaproveitado e 3% poderia ser reciclado. 

Paralelamente a isso, há um mercado em expansão e que precisa de parceiros (e materiais) para crescer. Para facilitar isso foram criadas plataformas que facilitam o encontro de compradores com vendedores. 

Troca por bônus - Algumas empresas realizam ações específicas para incentivar a reciclagem e o consumo consciente. Esse é o caso da  Enel Distribuição São Paulo​. A companhia de energia criou o Recicle Mais, Pague Menos, projeto em que o consumidor pode trocar a reciclagem por descontos na conta de energia. 

Para participar, basta ir a um posto de troca e pesar os materiais levados — pode ser vidro, metal, plástico, papel e TetraPak. As peças levadas são pesadas e precificadas de acordo com o mercado. Esse valor é creditado na próxima conta. 

SIGA-NOS NO Google News