• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Corumbá

Após ser flagrado realizando transporte clandestino, boliviano tem carro apreendido

Motorista foi abordado por transportar passageiros até a cidade Puerto Quijarro

Veículo foi levado para o pátio do Detran-MS do município (Foto: Divulgação)

Os agentes da Agência de Trânsito e Transporte (Agetrat) apreenderam na segunda-feira (19) um veículo com placas da Bolívia por transporte clandestino de passageiros. O condutor foi abordado na rua Dom Aquino, na região central de Corumbá (MS).

O motorista parou no ponto de ônibus, localizado no Jardim da Independência, rota de quem aguarda o transporte urbano até a fronteira com o país vizinho e passageiros embarcaram no automóvel. Em seguida, o condutor foi abordado pela fiscalização. Um dos passageiros relatou que o motorista informaria o valor da 'corrida' já na cidade boliviana de Puerto Quijarro. Os agentes apreenderam o carro.

A prática de transporte remunerado de pessoas sem permissão é infração de trânsito de natureza média, combinada com uma Lei Municipal que prevê a remoção do veículo ao pátio do órgão competente e pagamento de multa no valor de 500 VRM (valor de referência do município) que totaliza 995,00 (1,99 cada VRM).

Para o Diário Corumbaense, o diretor de trânsito da Agetrat, Lúcio André Messias de Barros relatou que “Temos nos dedicado a combater o transporte clandestino porque gera riscos aos passageiros e uma concorrência desleal com os meios de transporte legalizados. Essa não é uma operação, é um serviço de rotina que vai continuar”.

Já o assessor executivo da Agetrat, Jeferson Braga, mencionou que as equipes da fiscalização estão atuando na cidade e também na fronteira, onde um acordo de cooperação mútua com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), embasa o poder de atuação.

“Assim tentamos diminuir essa prática que prejudica profissionais brasileiros que trabalham no transporte formal como taxistas, mototaxistas, motoristas de aplicativos e a empresa de ônibus, pois estes profissionais passam por uma série de exigências para trabalhar e são prejudicados por pessoas que se aventuram no transporte clandestino”, afirmou Braga.

Somente na manhã de segunda-feira (19), mais de 45 veículos, entre estrangeiros e brasileiros, foram abordados na extensão da rua Dom Aquino e na fronteira para verificação de transporte clandestino.