• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
EDU REJALA

Professor, consultor e Chef Nikkei, especializado na fusão das cozinhas peruana e japonesa. Idealizador do projeto 'O Cromossomo do Amor' que ensina técnicas da cozinha para jovens com síndrome de down.

Minhas Redes Sociais:

Hambúrguer – O queridinho do momento

Olá pessoal, sejam bem-vindos ao meu Diário de Influência, uma plataforma regional, 100% digital do Mato Grosso do Sul, pela Rede MS Record.

O artigo de hoje é sobre esse “queridinho” da Gastronomia Americana (porém que chegou pelas mãos dos imigrantes alemães dos arredores de Hamburgo), mas que também é muitoooo apreciado em nosso Brasil e no mundo. Na brasa ou na chapa, com bacon ou salada, ou simplesmente pão, carne e queijo, a verdade é que os “burgers”, a cada dia, tem sido mais pedidos e saboreados contribuindo inclusive bastante com a economia e as cadeias produtivas de carne e hortaliças.

Os “burgers” tem uma variante de preços. Eu já vi lanches de R$ 8 a R$30,00 de maneira que caiba na realidade de uma “fatia” maior do mercado consumidor. Em Campo Grande é o “concorrente” mais próximo das adoráveis pizzas, as campeãs quando se trata de consumo de alimentos fora do lar.

Aqui, irei compartilhar com vocês a “blend” (a mistura), termo muito utilizado aqui também no Brasil, que compõe a essência dos hambúrgueres, a carne.

Então essa vai principalmente para você que já gosta e costuma fazer “burgers” em casa, mas também para quem quer começar a se “arriscar” em preparar esse queridinho.

Na sua próxima ida ao mercado, peça ao açougueiro que moa 800g de fraldinha, 800g de ponta de peito e 400g de bacon (o bacon, peça que moa duas vezes). Leve para sua casa e misture bem essas carnes (com essa proporção), 40% fraldinha, 40% ponta de peito e 20% bacon. Misture bem, depois com a ajuda de uma balança, faça bolinhas de 180g (cada). Essa quantidade irá lhe render 11 burgers, grandes e suculentos.

Nota: Faça movimentos com as duas mãos (batendo os burgers), fazendo a bolinha, para que retire o ar da carne e para que não “desmanche” na hora de cozinhar.

O tempero “base” é sal e pimenta-do-reino preta, porém se preferir uma maneira prática de acrescentar ainda mais sabor é utilizar cebola e alho em pó, dando aquele toque da cozinha brasileira.

Depois de misturar, temperar, fazer as bolinhas (retirando o ar), ter pesado, agora com a ajuda de um aro de alumínio molde seus hambúrgueres. O aro encontra-se facilmente nessas lojas de utilidades domésticas.

Bom pessoal, agora, vamos falar sobre como cozinhar o burger e dos acompanhamentos, e a seguir irei “copiar” aqui para vocês uma breve pesquisa que fiz sobre o “termo” “Burger” e sua história para que possamos, além de preparar uma deliciosa mistura de hambúrguer, também saber de onde veio essa “belezura” gastronômica e suas referências pelo mundo.

Cozinhando um hambúrguer:

Para cozinhar na chapa (ou frigideira), use azeite e manteiga (quanto mais grossa for sua frigideira ou chapa), irá cozinhar melhor o seu burger, evitando queimar a carne. Por isso fica essa dica: tendo a opção de usar uma churrasqueira, prepare seu burger nela, te garanto que irá ficar ainda mais delicioso e suculento.

Feche os olhos agora e tenta sentir (imaginar) o sabor do hambúrguer com essa mistura de fraldinha, ponta de peito e bacon, tudo isso feito na brasa. Com certeza será um sucesso!

Cinco minutinhos de cada lado, para quem prefere “ao ponto”, ou uns 3 minutinhos a mais em cada lado para quem preferir o ponto mais e seu burger vai estar no jeito para você colocar no pão com seus ingredientes preferidos e fazer a sua alegria, dos seus amigos e familiares.

Segue uma lista de acompanhamentos básicos que você encontrará na maioria dos supermercados:

· Cebola roxa

· Rúcula

· Alface americana

· Alface crespa

· Bacon fatiado

· Cheddar

· Mussarela

· Ovo

· Maionese

· Ketchup

· Mostarda

E quando você quiser saborear deliciosos burgers sem ter que se preocupar com os afazeres deixarei aqui três sugestões de hamburguerias de Campo Grande: a ESPETÁKULO´S BURGERS (próximo à Santa Casa), MAKE BURGER (na rua da Paz) e a EXP BURGER (no bairro Chácara Cachoeira).

Bom apetite!

A Gastronomia aproxima as pessoas. Onde tem comida, tem alegria e também relacionamento

Chef Edu Rejala 

O Hambúrguer

O hambúrguer (do inglês hamburger), também conhecido como hamburgo e hamburguesa, sanduíche de carne é carne (principalmente de carne bovina, mas também de frango moído, suína moída ou sem carne, como são conhecidos os "hambúrgueres vegetarianos") temperada e moldada em formato circular. É geralmente servida como sanduíche, é este, por extensão, o seu significado mais comum. Pode ser acompanhado por condimentos e outros ingredientes também colocados dentro do pão, como cebola, alface, picles, tomate, maionese, ketchup, queijo e bacon.

A História do Hambúrguer

O hambúrguer, apesar de associado aos Estados Unidos, chegou a esse país pelas mãos de imigrantes alemães vindos dos arredores de Hamburgo. Hoje, o hambúrguer é um ícone da culinária americana. Em 1836, no restaurante Del Monico's, em Nova Iorque, o hambúrguer ganhou, pela primeira vez, estatuto de iguaria e passou a constar no cardápio - entre duas fatias de pão, já em formato de sanduíche.

O Hambúrguer no Brasil

 A introdução do hambúrguer nos costumes do brasileiro deve-se ao jogador de tênis estadunidense-brasileiro Robert Falkenburg, campeão do torneio de Wimbledon em 1948 e 1949, que abriu, em 1952, na cidade do Rio de Janeiro, a primeira lanchonete em estilo americano da cidade: o Bob's. Junto com o hambúrguer, a lanchonete também foi responsável pela introdução na cidade de duas outras típicas iguarias da culinária dos Estados Unidos: o milk shake e o sundae. A lanchonete passou a fazer parte da crônica social do Rio de Janeiro e do Brasil, sendo frequentada por celebridades da época, como o compositor Villa Lobos, o músico de jazz Booker Pittman, entre muitos outros

O Hambúrguer no mundo

O sanduíche que nasceu no lombo de um cavalo popularizou-se bastante, tendo caído no gosto das mais diversas culturas. Países com costumes diferentes têm adotado o hábito do hambúrguer com adaptações para os costumes locais. Na Índia, por exemplo, utiliza-se carne de carneiro no lugar da bovina. Nas regiões onde a religião muçulmana é predominante, uma rede de lanchonetes projeta suas lojas com salões separados para mulheres solteiras e famílias, cada um com caixas para pagamento e pedido para que não haja encontros não permitidos pelos costumes. E, quatro vezes por dia, as lojas cessam as atividades para dar lugar ao momento da prece obrigatória, a salá. Há, também, variações no tipo e qualidade de carne utilizados: hambúrguer de picanha, de fraldinha, de frango, de peru, de peixe, de soja, entre outros.

O Hambúrguer na cultura popular

Durante o período entre-guerras, o hambúrguer era muito famoso, inclusive na cultura popular. Um exemplo disso era o frequente aparecimento de hambúrgueres no quadrinho Popeye de E. C. Segar, cujo protagonista era o marinheiro Popeye, que comia espinafre para sustentar sua força sobre-humana; sua primeira aparição, contudo, foi como personagem coadjuvante em 17 de janeiro de 1929 ao lado de outros personagens, incluindo J. Wellington Wimpy (muitas vezes abreviado para apenas "Wimpy" e conhecido no Brasil como Dudu), um guloso educado que era apaixonado por hambúrgueres. Sua frase marcante, "Pagarei com prazer amanhã por um hambúrguer hoje!" (em inglês: I'll gladly pay you tomorrow for a hamburger today) tornou-se famosa. Durante o auge de sua popularidade nos anos 1930, Dudu passou uma imagem de que os hambúrgueres eram saudáveis para a juventude da época, e sua fama resultou na criação de uma cadeia de restaurantes fast food chamada Wimpy a sua homenagem, que vendia hambúrgueres por dez centavos.

Logo, muitos outros personagens de ficção ficaram associados ao hambúrguer, como o Ronald McDonald, um palhaço desenhado por Willard Scott que surgiu pela primeira vez na televisão americana em 1963, e tornou-se famoso. Na década de 1960, o hambúrguer era citado em quadrinhos underground como o Zap Comix#2 do desenhista Robert Crumb, onde havia um personagem chamado "Hamburger Hi-Jinx". No final dessa década, a arte pop utilizou o hambúrguer como elemento artístico, em trabalhos de Andy Warhol (Dual Hamburger), Claes Oldenburg (Floor Burger), Mel Ramos (Vinaburger, 1965), e mais recentemente, David LaChapelle (Death by Hamburger, 2002). A nave estelar conhecida como Millennium Falcon, projetada por George Lucas para o Star Wars, foi baseada num formato de hambúrguer. Outras mídias também fazem ou fizeram frequentes aparições ou citações de hambúrgueres, como o jogo BurgerTime de 1982.

(Fonte://pt.wikipedia.org)


DEIXE SEU COMENTÁRIO