• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
Diário Influência
Diário Influência
Imagem

Veruska Donato

Veruska Donato é jornalista e apresentadora do Balanço da Manhã. No Diário Digital, ela assina a coluna Sala de Trabalho.

Não seja 'idiota' como eu fui!, por Veruska Donato

"Fui xingada, disseram que faltei com ética ao falar mal da companhia"

Terça-feira, 26 Julho de 2022 - 15:10


Não seja 'idiota' como eu fui!, por Veruska Donato
(Foto: Divulgação)

Em maio desse ano, cometi uma tremenda besteira. Na tentativa de elogiar uma amiga que tinha acabado de deixar o emprego, eu desmereci a emissora onde trabalhei por 21 anos. Nunca foi minha intenção. Achei que estava elogiando a colega ao dizer que a empresa não a merecia ,e que na verdade a estava empurrando para fora. Imediatamente os haters apareceram. 

Fui xingada, disseram que faltei com ética ao falar mal da companhia. É claro que a maioria concordou com o meu comentário, mas o que viralizou foram as lições de quem queria lacrar em cima de um erro meu. Virei notícia. Fui parar na primeira página de sites como o Uol. Escreveram que eu estava desdenhando do local que me acolheu por anos. Sofri. Pensei em apagar o comentário, mas de nada adiantaria, a postagem já tinha ido parar nas colunas de fofoca. Escrevi para um amigo jornalista e ele publicou minha versão. Lutei dois dias com o choro e a decepção. Não fui demitida porque já tinha pedido demissão 6 meses antes.

Falo sobre esse episódio chato na minha vida porque o Tribunal Regional do trabalho em São Paulo acaba de decidir que vale a demissão por justa causa quando um funcionário ofende a empresa nas redes sociais. O caso envolve o empregado de uma rede de supermercados no litoral paulista que que compartilhou uma publicação no facebook dizendo que a empresa mantinha produtos vencidos nas prateleiras. Os produtos, na verdade, encontrados pela vigilância sanitária, eram para descarte, tratando-se de um tremendo mal entendido. O funcionário ainda comentou na publicação “Bem-vindo ao primeiro preço, kkk”. 

Criticar a empresa em público, nem que seja para um grupo de amigos, é sempre um risco muito grande. Pode ser que alguém conheça um diretor ou supervisor da companhia e venha falar do seu comentário, ou no mínimo, não cai bem porque é a empresa que paga seu salário e os benefícios. O melhor é se desligar de um lugar que não lhe faz bem. 

Voltando ao meu caso, é óbvio que olhando para trás e com uma certa distância, consigo ver o quanto errei, e errei feio, não mereço passada de mão na cabeça. Aprendi minha lição e não porque meu comentário ganhou as redes e me escancarou como uma pessoa odiada, mas porque faltei mesmo com a ética. A empresa quando me empregou confiou em mim, partilhou seus segredos e estratégias, e eu a traí. Qualquer coisa que eu diga ou escreva tem um peso muito grande porque passei ali 21 anos da minha vida. 

A verdade é que eu só queria dizer que a colega a quem elogiava não foi valorizada pelos antigos chefes, e tudo bem, ela era ótima e deveria seguir em frente.    Se pudesse voltaria atrás, mas como não posso, espero que esse artigo ajude outras pessoas a evitar situações como a que eu vivi.

SIGA-NOS NO Google News