• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
ELVERSON CARDOZO

Jornalista e mestre em Comunicação. Possui experiência com reportagem, produção de conteúdo jornalístico e publicitário, blogs, gerenciamento de mídias sociais. Atento às questões LGBTs, escreve sobre diversidade sexual e de gênero há 7 anos.

Minhas Redes Sociais:

Apoio emergencial a LGBTs cresce durante pandemia do Coronavírus; saiba como ajudar

A ONG All Out, que luta pelos direitos de pessoas LGBTs ao redor do mundo, lançou uma campanha para apoiar casas de acolhimento LGBTIA+ no Brasil. Muitas dessas iniciativas estão comprometidas por conta da pandemia do novo Coronavírus.

Com isso, os atendimentos também são afetados, justo no momento em que a demanda por apoio emergencial não para de crescer. O problema é que os rendimentos dessas casas diminuíram por conta da quarentena. O isolamento social impede a realização de eventos, que garantem recursos para manutenção dos projetos.

A boa notícia é que você pode ajudar a melhorar esse quadro e sem sair de casa. Como? Doando pelo site da campanha. A meta da All Out Brasil é arrecadar R$ 30 mil para arcar com custos de manutenção (aluguel, contas de água, luz e internet), compra e distribuição de materiais de limpeza e higiene, máscaras e álcool em gel, além das refeições e distribuição de cestas básicas e quentinhas.

O valor será destinado a 12 casas, distribuídas em 7 estados brasileiros. Todas são integrantes da Rede Brasileira de Casas de Acolhimento LGBTIA+. Veja a lista:

- CasAmor LGBTQI+, Aracaju - SE

- Astra Direitos Humanos e Cidadania LGBT| Acódi LGBT, Aracaju - SE

- Casa Transformar, Fortaleza - CE

- Casa Miga Acolhimento LGBT+, Manaus - AM

- Casa da Diversidade Niterói, Niterói - RJ

- Transviver, Recife - PE

- CasaNem, Rio de Janeiro - RJ

- Casa Aurora, Salvador - BA

- Casa dos Direitos da Baixada, São João de Meriti - RJ

- Casa Chama, São Paulo - SP

- Casa Florescer 1, São Paulo - SP

- Casa Florescer 2, São Paulo – SP

As casas listadas apoiam regularmente LGBTs em situação de vulnerabilidade social, como os que estão em situação de rua, os refugiados, aqueles que realizam trabalhos sexual e os que podem ser despejados de seus lares.


DEIXE SEU COMENTÁRIO