• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
DIEGO COSTA

Chegou a cursar Engenharia Sanitária e Ambiental, mas foi como digital influencer que se realizou profissionalmente. Seu segmento era Gastronomia, aliando eventos de churrasco com as redes sociais. Criou a plataforma Cozinha De Um Homem Só que depois se transformou no Palpite de Ogro. A aborda vários temas do universo masculino.

Minhas Redes Sociais:

Paixão pelo fogo

Não se trata apenas de ter a capacidade de preparar o alimento no fogo, e sim de conseguirmos manter a tradição e restaurar a nossa conexão com o passado.

Quantas vezes ao comprar alimento pronto, seja um hamburger ou até carne assada, comemos, jogamos as embalagens fora e assunto encerrado.

A descoberta do fogo mudou nossa forma de nos alimentarmos.

O fogo de chão em especial é uma técnica que me chama muita atenção, pois não se incia na hora de comprar a proteína.

Ao preparar o alimento no fogo de chão trata-se de "Low and Slow" com paciência, um maior tempo de fogo e uma temperatura mais baixa. Para que assim a carne tenha o seu tempo de chegar na temperatura ideal, respeitando o seu alimento e o animal que está passando toda sua energia para você.

É preciso de combustível para manter o fogo por 6, 8 ou até 12 horas dependendo da sua proteína. Partimos para a lenha até então abundante, cada uma com suas características. Angico é um pouco mais lento para iniciar porém com brasa forte, um calor intenso e coloração vermelha. Eucalipto de combustão rápida, consegue elevar a temperatura rapidamente.

Agora o maior combustível depende de você. Sim, você vai ficar ao lado desse fogo identificando os momento correto de adicionar mais lenha, o ponto de virar a carne, observar o vento para que a temperatura não seja reduzida, evitar labaredas. Sim, vai ser cansativo e você vai se perguntar em algum momento "essa fumaça está me perseguindo?". Onde você sentar vai ter uma fumaça nos seus olhos.

Quais cortes utilizar? Eu digo: todos! 
Cada um tem seu equipamento e seu tempo. Seja uma costela podendo ser espetada com varas de madeira até espetos específicos com pé giratório facilitando o serviço.
Um porco inteiro, por que não? Carneiro? Linguiça? Pernil? Use sua imaginação, mas não vai me deixar essa carne cair certificando se tudo ficou bem preso.

Tempo? Você vai precisar!
Se for no almoço pode acordar às 04h00. Não é uma técnica para quem tem pressa, aqui quem tem pressa come cru!

Tempero? Tem para todos os gostos, mas me chama quando não for inventar muita arte.
Cuidado com o que bomba na Internet como dar um banho de cerveja na costela ou suíno após estar pronto. Isso só vai baixar a temperatura deixando ele mais rígido e remover parte do tempero.

Dica para a Costela

Gosto de assar sem nenhum tempero, nem mesmo sal fino ou grosso. O sal pode se tornar um vilão com o tempo ele tem o poder de desidratar a carne removendo sua umidade interna. Após 08 horas  com essa carne no sol e recebendo calor diretamente, corre o risco de não ficar no ponto desejado.


DEIXE SEU COMENTÁRIO