• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
Bolívia

Bloqueio na Bolívia entra no quinto dia e fila de caminhões aumenta

O fechamento é por tempo indeterminado e a linha férrea também está bloqueada na fronteira

Fila quilométrica se forma na Bioceânica. (Foto: Divulgação/Diário Corumbaense)

Neste domingo, 12 de Julho, tornou-se o quinto dia do bloqueio interno na Bolívia, em Puerto Suárez na estrada Bioceânica.

Até sábado (11), pouco mais de 250 carretas que seguiam em direção à fronteira entre Corumbá (MS) e o país vizinho estavam enfileirados na via que liga a Bolívia ao Brasil.

O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde deve enviar um documento para ser avaliado pelos manifestantes sobre as reivindicações de ampliação e compra de equipamentos para o hospital San Juan de Dios. "Também é exigido que os representantes dos governos nacional e departamental vem à região para conhecer de perto o hospital e ver a real necessidade estrutural", afirmou o presidente do Comitê Cívico de Puerto Suárez, Humberto Miglino Rau.

Apesar da infraestrutura física, a unidade de saúde está "vazia", sem condições clínicas para atender pacientes da pandemia da Covid-19 e o hospital mais próximo fica a mais de 600 quilômetros de distância, em Santa Cruz de La Sierra.

Por conta disso, muitos doentes bolivianos acabam entrando em território brasileiro, por trilhas clandestinas, para buscar atendimento em clínicas particulares e na Santa Casa de Corumbá, já que a fronteira dos dois países está fechada desde março por causa da pandemia do novo coronavírus e somente caminhões com cargas podiam passar até o início da mobilização.

O bloqueio interno na Bolívia é por tempo indeterminado. A linha férrea também está bloqueada na fronteira.

(Com informações do Diário Corumbaense)