Menu
15 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
MS 42 anos

MS está entre os estados mais seguros

Estado possui mais de 1.500 quilômetros de fronteira, dos quais 1.131 com o Paraguai e 386 com a Bolívia, desses 549 quilômetros de fronteira seca

10 Out2019Da redação08h28

Mato Grosso do Sul é um Estado rico em belezas naturais, mas que divide espaço com outra realidade, possui mais de 1.500 quilômetros de fronteira, dos quais 1.131 com o Paraguai e 386 com a Bolívia, desses 549 quilômetros de fronteira seca. Mesmo diante dessa particularidade, MS completa 42 anos entre as unidades da federação mais seguras do Brasil, conforme levantamentos que analisam os índices criminais de todo país.

De acordo com pesquisa recente divulgada pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Mato Grosso do Sul está entre os estados da Federação que apresentam queda nos índices referentes aos crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte) no ano de 2018. Conforme as estatísticas divulgadas foram registradas 483 mortes violentas, o que representa uma queda de 15,4% em relação a 2017.

Outro importante estudo foi feito pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em conjunto com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Unit, conhecido como Ranking de Competitividade dos Estados, que colocou a segurança pública sul-mato-grossense na 4ª posição, atingindo a nota de 85,1, numa escala de zero a 100; o desempenho está acima da média nacional, que é 52,3. Nas três primeiras posições estão, São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal.

Outro fator que tem sido motivo de comemoração está ligado a resolução de homicídios, Mato Grosso do Sul é o Estado que mais elucida esse tipo de crime no Brasil, definindo a sua autoria, materialidade e prisão do envolvido. O índice é superior a 73% e se iguala à taxa de resolução dos órgãos de segurança dos países de primeiro mundo, conforme pesquisa do Instituto Sou da Paz, divulgada na edição do Fantástico.

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, atribuiu todo esse  resultado ao trabalho que vem sendo desenvolvido pelas forças de segurança ligadas à Sejusp, com apoio do Governo do Estado que tem feito investimentos significativos nesta área, por meio do programa MS Mais Seguro, que totaliza mais de R$ 130 milhões, o que proporcionou a aquisição de novas viaturas, equipamentos, munições e contratação de novos servidores, além da implantação de 11 núcleos de inteligência no interior do Estado.

“Nós estamos trabalhando muito, e temos obtido resultados positivos colocando MS em destaque nacional, mas nem por isso, podemos ficar em uma zona de conforto. Promover segurança pública é a nossa missão, outra coisa é a sensação de segurança que se faz com policiais nas ruas, com repressão e ações de prevenção. Neste caso, não tem como fazermos isso sozinhos, precisamos compartilhar essa responsabilidade com a sociedade em geral”, pontua.

Redução criminalidade

Os números publicados validam as estáticas da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), também em 2019. Dados divulgados nesta semana apontam que nestes nove meses a criminalidade tem caído, em comparação com o mesmo período do ano passado. Dos 12 tipos penais monitorados diuturnamente pela secretaria, todos apresentaram queda em relação ao mesmo período de 2019.

A principal redução está relacionada as ocorrências de roubos seguidos de morte (latrocínio), que configuram com uma queda de 57,9% no Estado, sendo registrados oito casos. Os crimes contra o patrimônio também configuram entres os delitos que estão apresentando queda, os roubos em comércios, por exemplo, caíram 33,6%, sendo registrados 275 ocorrências em 2019. Logo depois estão os roubos de veículos, que registraram uma redução de 29,7%, passando de 585 registros para 411 em 2019. Em seguida estão as ocorrências em vias públicas, com queda de 22,3%. Já os delitos ocorridos em residências, as estatísticas apontam que os índices caíram 17,5%.

Veja Também