• Diretor de Redação Ulysses Serra Netto
  • MS Record
  • Rede Record
ELVERSON CARDOZO

Jornalista e mestre em Comunicação. Possui experiência com reportagem, produção de conteúdo jornalístico e publicitário, blogs, gerenciamento de mídias sociais. Atento às questões LGBTs, escreve sobre diversidade sexual e de gênero há 7 anos.

Minhas Redes Sociais:

Thammy Miranda, o pai que incomoda os hipócritas

Preconceituosos despudorados e hipócritas de carteirinha que habitam a internet e, infelizmente, dividem o mundo com outros seres humanos dotados de mínima inteligência e civilidade, estão em polvorosa porque a Natura contratou o empresário Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, para uma campanha do Dia dos Pais. Nem parece que estamos enfrentando uma pandemia de consequências gravíssimas, porque logo as mortes foram sublimadas para muita gente fazer o que? Falar de uma família feliz e, pior, do corpo alheio. Com que direito? Não sei.

Aos berros, em CAPS LOCK, defensores da moral e bons costumes, Juízes do Tribunal do Facebook, Desembargadores de Fofoca no Instagram, Ministros da Unizapzap e "Doutores em Gênero e Sexualidade", que referenciam argumentos com as vozes da própria cabeça, estão bradando aos quatro cantos que é abominação aos olhos de deus, ou sei lá quem, colocar uma "mulher vestida de homem” para representar um papel tão simbólico e sublime. Ora, ora, como são amorosos e conseguem amar o próximo. É de impressionar.

Diante de tantos “anjos bons na terra” e “especialistas” a rodo falando da vida de Thammy Miranda e outros LGBTs (sim, porque eles acham que têm esse direito), eu até poderia gastar algumas palavras aqui para perguntar, humildemente, sobre esse deus vingativo e exterminador (só para passar bem longe dele) ou tentar explicar o erro - e a falta de humanidade - que é definir alguém pela genitália. Quem sabe, com muito esforço e um remédio para não vomitar, alcançaria a graça de ser didático nas classificações e diferenças básicas entre sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual. 

Lamento, mas não vou fazer isso. Hoje, infelizmente, não tenho mais paciência. Perdi. Sabe como é… Dizem que ela tem limites. Atingi a marca enquanto escrevia esse texto. Comprometer minha saúde mental com gente, digamos, sem o mínimo de escrúpulos, não é, nem de longe, um objetivo de quarentena. Amanhã, talvez, pode ser que consiga a proeza com um esforço sobre-humano, porque de fato cansa. Muito. É... “Tá difícil competir com a realidade”. O slogan do Zorra nunca caiu tão bem.

Mas em respeito a você, caro leitor, por enquanto serei técnico, pelo menos, para não perder a capacidade comunicativa. A gente precisa ser gentil até com os imbecis, diria qualquer guru por aí. Não que seja o seu caso, claro. É que, realmente, para alguns só desenhando e olhe lá. Como essa nunca foi a minha praia, vou ficar devendo rascunhos ou croquis. Sei brincar mesmo é com as palavras, inclusive em CAPS LOCK. Fácil gritar na internet, não é? Dessa forma, falando no mesmo tom, quem sabe conseguem "ouvir" e a mensagem chega sem ruído.

Nessa “sonora” troca de “argumentos”, mais velhos que o passar do tempo, me permitam gritar apenas um dos meus, Santidades da Igreja Mundial do Julgamento Alheio? É rápido, garanto. Tem apenas 16 caracteres. Vejam só: LGBTFOBIA É CRIME! Ficou incompreensível, Majestades dos Reinos das Famílias Tradicionais Brasileiras? Vou soletrar: L-G-B-T-F-O-B-I-A - É -C-R-I-M-E -!

Difícil acreditar, né, minha filha? Mas é lei, mesmo. Ela existe e vai além do nosso umbigo; do meu e do seu. Inclusive, funciona para comentários na internet. Prefere ler para crer? Não seja por isso. Clique aqui. Se mesmo assim você não se convencer de que LGBTFOBIA É CRIME e por isso não dá para falar qualquer asneira na internet achando que é terra sem lei, quem sabe um processo resolva o seu caso - ou não, porque burrice e mau caratismo não tem limites, mas pelo menos fica a lição.

De qualquer forma, podemos pensar juntos em uma possível representação de pai para a campanha do ano que vem. Thammy Miranda não serve aos seus olhos construídos à imagem e semelhança do divino? Então quem a marca deveria escolher?

Um dos milhares de pais, heterossexuais e cidadãos de bem, que nem constam nos registros de seus filhos? De repente o pai modelo do Instagram? Aquele que vê a cria a cada duas semanas, posa para foto, mas xinga e ameaça a mãe reclamando da pensão “cara”? Muitas possibilidades nesse brasilzão de meu deus.


DEIXE SEU COMENTÁRIO