Menu
21 de outubro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner CCR-MS Via
Imagens de 2017

Yago, fruto de gestação inédita, causou comoção

Por meio de aparelhos, hospital manteve gestação de mulher que teve morte cerebral

31 Dez2017Valdelice Bonifácio08h00
Yago deixa a Santa Casa nos braços da avó (Foto: Luciano Muta)
  • Em 21 de novembro, o bebê Yago deixou a Santa Casa nos braços da família após sete meses de internação
  • Yago deixa a Santa Casa nos braços da avó (Foto: Luciano Muta)
  • Yago recebe o carinho da equipe médica antes de deixar Santa Casa (Foto: Elaine Silva)
  • Yago deixa a Santa Casa nos braços da avó (Foto: Elaine Silva)
  • Família de Renata autorizou que os aparelhos fossem desligados após o parto (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Presença de Yago foi alvo de atenção especial na Santa Casa (Foto: Divulgação)
  • Pequeno Yago nasceu em 31 de março pesando 1,50 kg e 34 cm (Foto: Divulgação)
  • Renata Souza Sodré, de 27 anos, mãe de Yago, foi mantida viva por aparelhos após ter morte cerebral no dia 27 de fevereiro para concluir gestação (Foto: Reprodução/Facebook)

Um amor chamado Yago gerou comoção neste ano de 2017. O bebê nasceu de um feito inédito na Santa Casa de Campo Grande. A mãe Renata Souza Sodré, 22 anos, teve morte cerebral em janeiro quando estava na 17ª semana de gestação. Os médicos mantiveram os aparelhos ligados e aplicaram medicamento de forma contínua para que ela completasse a gestação.

Em 31 de março, o pequeno Yago nasceu pesando 1,50 kg e 34 cm. O bebê foi encaminhado para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Neonatal do hospital, por nascer prematuro. A família autorizou o desligamento dos aparelhos que mantinham Renata viva.

Em 21 de novembro, Yago deixou o hospital e segue saudável sob os cuidados da família. As imagens que ilustram esta retrospectiva em fotografias são de Elaine Silva, Luciano Muta e Arquivo Pessoal.

Veja Também