Menu
22 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Imagens de 2017

Feminicídios brutais chocaram e indignaram a Capital

Mulheres foram mortas pelos companheiros a tiros, marteladas e tesouradas

30 Dez2017Valdelice Bonifácio13h30
Em 23 de março, Pâmella Jennifer Garicoi, 32 anos, que levou um tiro do ex-marido Johnny Teodoro Souza, que depois tentou suicídio (Foto: Reprodução/Facebook)
  • Em 23 de março, Pâmella Jennifer Garicoi, 32 anos, que levou um tiro do ex-marido Johnny Teodoro Souza, que depois tentou suicídio (Foto: Reprodução/Facebook)
  • O crime foi praticado no estabelecimento Império do Gesso, na Avenida Mascarenhas de Moraes, onde a vítima trabalhava (Foto: Marco Miatelo)
  • Familiares e amigos da vítima compareceram ao local do crime e ficaram desolados (Foto: Marco Miatelo)
  • Horas antes de levar o tiro, vítima tinha ido à delegacia denunciar o ex-marido (Foto: Marco Miatelo)
  • Apesar da tentativa de suicídio, autor do crime foi socorrido e sobreviveu; ele foi preso (Foto: Marco Miatelo)
  • A musicista Mayara Amaral foi encontrada morta e parcialmente queimada em 25 de julho, em uma mata, na saída para Rochedo (Foto: Reprodução/Facebook)
  • Três pessoas foram presas no dia seguinte, mas apenas uma estava envolvida, o músico Luis Alberto Bastos Barbosa (Foto: Marco Miatelo)
  • Mayara Amaral foi morta a marteladas pelo músico Luis Alberto Bastos Barbosa com quem mantinha um relacionamento (Foto: Marco Miatelo)
  • Músico Luis Alberto Bastos Barbosa confessou o crime e revelou ter acusado dois amigos injustamente (Foto: Marco Miatelo)
  • Pertences de Mayara foram recolhidos na casa do assassino; autor do crime disse que agiu durante uma briga e que estava drogado (Foto: Marco Miatelo)
  • Mayara Fontoura Holsback, de 18 anos, foi morta a tesouradas pelo namorado em 15 de setembro, na casa dela no Bairro Universitário (Foto: Reprodução/Facebook)
  • O autor do crime Roberson Batista da Silva, de 32 anos, se entregou à Polícia 51 dias após o brutal assassinato (Foto: Marco Miatelo)

Pâmela Janiffer, Mayara Amaral e Mayara Holsback não poderão revisar o ano de 2017 e planejar o ano vindouro. Elas estão entre as mulheres mortas neste ano pelos companheiros. Os motivos, como sempre, são fúteis e os meios cruéis. As imagens que ilustram esta retrospectiva em fotografias são de Marco Miatelo e Arquivo Pessoal.

Em 23 de março, Pâmella Jennifer Garicoi, 32 anos, que levou um tiro do ex-marido Johnny Teodoro Souza, em seu local de trabalho. O autor tentou suicídio, mas foi socorrido. Ela tinha uma medida protetiva contra o ex que não aceitava a separação. O homem está preso.

A musicista Mayara Amaral, 25 anos, foi encontrada morta e parcialmente queimada em 25 de julho, em uma mata, na saída para Rochedo. O autor do crime é o músico Luis Alberto Bastos Barbosa que a matou a marteladas em um motel. Ele confessou o crime. Disse que a matou durante uma discussão e que estava drogado. Luis Alberto está preso.

Já Mayara Fontoura Holsback, de 18 anos, foi morta a tesouradas pelo namorado em 15 de setembro, na casa dela no Bairro Universitário. O autor do crime Roberson Batista da Silva, de 32 anos, se entregou à Polícia 51 dias após o brutal assassinato. O ex-namorado da jovem alega legítima defesa.

Feminicídios - Apesar dos crimes brutais que chocaram neste ano de 2017, a Polícia Civil afirma que os casos de feminícidio diminuíram em Campo Grande e no interior do Estado em relação ao ano de 2016. Na Capital, foram seis casos e 19 de feminicidio tentado, quando no ano passado, foram sete feminicidio confirmados e 38 de feminicidio tentado.

Veja Também