Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Campo Grande

Vereadores recebem caixas de documentos sobre a previdência municipal

Comissão fará análise de possíveis irregularidades no Instituto de Previdência

9 Fev2017Da redação18h00

A Comissão Especial para Acompanhamento e Reestruturação do IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande) recebeu, na manhã desta quinta-feira (9), 17 caixas contendo as documentações solicitadas ao órgão, para análise de possíveis irregularidades no instituto, responsável pela gestão da previdência do funcionalismo público municipal.

As caixas, contendo balancetes mensais, notas, demonstrativos de rendimentos e toda parte contábil foi entregue pelo diretor-presidente do IMPCG, Lauro Davi, os quais já serão analisados por especialistas jurídicos e contábeis a partir de hoje, conforme revelou o presidente da Comissão, vereador Fritz. 

“Já vamos começar essa análise técnica dos documentos hoje, nosso objetivo é facilitar e contribuir para a reestruturação do IMPCG, de forma a montar um diagnóstico do que pode e precisa ser feito, propondo sugestões. O servidor é o maior tesouro que a Prefeitura tem hoje. É importante que o IMPCG tenha uma reserva técnica para custeio da previdência, o ideal é que sejam três ativos para cada aposentado. Hoje temos uma média de 2,36% ativos para cada aposentado, por conta dos terceirizados e comissionados, que contribuem para o INSS e não para oIMPCG, por isso precisamos aumentar o número de concursados. Nenhuma Casa Legislativa do Brasil está tendo a preocupação que essa Casa está tendo com o servidor”, afirmou Fritz.

Ainda segundo Fritz, “numa primeira análise, a partir dos dados disponibilizados no site do IMPCG percebemos que houve uma ascensão no adoecimento de servidores, com aumento de 30 a 40% de servidores de licença, por conta do CID F, que diz respeito a alterações emocionais e psicológicas. Vivemos hoje uma epidemia de suicídio e isso me preocupa muito”, alertou Fritz.

Na entrega, Lauro Davi enalteceu a importância do trabalho desenvolvido pela Comissão, “é um trabalho profundamente positivo, temos que analisar a história contábil passada para projetar um futuro, e é importante contar com os vereadores nesse processo, porque qualquer medida que tomarmos passará por esta Casa, como a mudança de alíquota que será necessária ser discutida no Legislativo. A conta do IMPCG não fecha desde 2013 e está no vermelho. Precisamos de uma recomposição de fundos, que exige um exercício mais demorado, exige a presença de um atuário, que fará os cálculos previdenciários”, afirmou.

Após a entrega dos documentos, a Comissão, juntamente com Lauro Davi, foram recebidos pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Prof. João Rocha que destacou “me coloco à disposição para ajudar e contribuir no que for necessário. Parabenizo o Lauro Davi por aceitar essa missão de dirigir o IMPCG e estou com bastante esperança, porque o instituto está precisando de musculatura, precisamos caminhar para resolver e contribuir para o resgate do IMPCG que é tão importante para todos os servidores”, disse.

A Comissão é composta pelos vereadores Enfermeiro Fritz (presidente), Enfermeira Cida Amaral (relatora), Pastor Jeremias Flores, William Maksoud, Chico Veterinário e Dr. Livio.

Veja Também

Comissão da Assembleia recebe relatórios de gestão fiscal dos Poderes
PMA multa pescadores presos pela Polícia Civil por pesca predatória
MPF cobra R$ 22 milhões de Puccinelli e ex-secretários
LDO terá audiência pública dia 27
Cadastro biométrico não é obrigatório no interior para eleições 2018, diz TRE-MS
Servidor público terá falta abonada para ir à reunião escolar
TCE-MS encaminha projeto de reajuste salarial à Assembleia
Vereadores da Capital propõem parcelar imposto em até 12x
Aprovados em concurso da Agepen pedem apoio por convocação
Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex