Menu
21 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega banner Topíssima
Dourados

UFGD "desafia" MEC e Ministério pede realização de nova eleição para Reitoria

Universidade comentou que medida é legal e visa evitar que interferências políticas determinem a decisão do MEC

23 Abr2019Da redação18h39

O Ministério da Educação encaminhou à UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), uma portaria com acusações de irregularidade na lista de nomes sugeridos para compor a reitoria durante o quadriênio 2019-2023. 

Segundo o documento, os candidatos inseridos para decisão superior do Ministério não estão de acordo com o Estatuto da universidade e colocam em xeque a autoridade do MEC em definir o nome que ocupará o cargo de reitor. 

“Em análise da documentação remeda a esta Secretaria de Educação Superior, observou-se que o arts. 28 e 29 do Estatuto da UFGD não estão de acordo com a prescrição legal, ao definir que a lista tríplice abarcará os nomes indicados pelo Colégio Eleitoral da UFGD, de modo a homologar a consulta à comunidade previamente realizada”, afirma trecho da portaria. 

Os artigos citados afirmam que é responsabilidade do Colégio Eleitoral a escolha da lista tríplice. O que o Ministério sugere é que sejam incluídos os nomes de quem disputou a consulta pública, neste caso Etienne Biasotto (eleito pela comunidade acadêmica), Liane Maria Calarge (atual reitora) e Joelson Pereira. 

A eleição para reitoria não é um procedimento obrigatório, mas na visão do Ministério da Educação, o mínimo que se espera é que na hora de sugerir os futuros respondentes pela universidade, o Conselho Eleitoral inclua o nome dos membros das chapas votadas, o que não ocorreu.

Conforme constatado, a lista tríplice enviada foi elaborada a fim de garantir que a decisão do MEC se sujeite a voz da comunidade acadêmica. Na sugestão do Colégio teria sido incluído o nome de Biasotto, Jones Dari Goettert e Antonio Dari Ramos. 

Nas redes sociais, Antônio Dari Ramos manifesta apoio à campanha de Etienne, sugerindo assim integrar o grupo eleitoral do candidato para a reitoria. 

A UFGD comentou por telefone ao Dourados News, via assessoria, que a medida é legal e visa evitar que interferências políticas determinem a decisão do MEC. Apesar disso, fica evidente a manobra para tentar retirar das mãos do Ministério a autoridade de eleger o futuro reitor, tudo isso em nome da democracia. 

De acordo com a universidade, a seleção dos nomes aconteceu mediante acordo interno entre as chapas. “Estamos em um ambiente tranquilo aqui na universidade e os outros dois candidatos optaram por não contrapor a decisão da comunidade acadêmica”, afirmou.

A eleição do Colégio Eleitoral aconteceu no dia 21 de março, na Unidade 1 da UFGD, e conforme a assessoria foi um processo transparente e transmitido ao vivo nas redes sociais. “Não houve nenhuma manipulação. Quem estava lá e interessado em se colocar à disposição assim o fez”, afirma a assessoria da UFGD.

Ainda segundo a UFGD, a fim de garantir a legitimidade da medida, foi solicitada à Procuradoria Geral da União uma análise do processo e agora o documento será repassado ao Colégio Eleitoral para constatação dos fatos. 

O MEC orientou que fosse feita uma nova eleição do Colégio para submissão da Secretaria de Ensino Superior, a fim de que o futuro reitor da UFGD seja escolhido legitimamente pelo Ministério sem que ocorra uma espécie de indução à decisão.

(Com informações do site de notícias Dourados News) 

Veja Também

Guedes prevê enxurrada de 'notícias boas' após reforma
Reduzir imposto para combater contrabando de cigarros é ilusão, diz Simone
Empresário tem que ter liberdade para demitir, diz senadora de MS
Deputado assume função de coletor de lixo na Capital
Três comissões do Senado discutem impacto ambiental em Bonito
Bolsonaro recebe prêmio nos EUA e diz que ser presidente foi
Projeto prevê materiais biodegradáveis a copos e canudos em MS
Audiência debate ações de combate à exploração sexual
Dagoberto é eleito vice-presidente da Comissão Mista de Orçamento
Justiça autoriza bloqueio de R$ 196 milhões de Cabral e Eike