Menu
19 de outubro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner CCR-MS Via
Eleições 2018: Voto na Record

Tendência do MDB é liberar filiados no segundo turno, diz Marun

Ministro também se mostrou frustrado com a atividade morna no Congresso esta semana

10 Out2018Agência Brasil21h00

O presidente Michel Temer reuniu hoje (10), no Palácio do Planalto, alguns de seus ministros filiados ao MDB e uma das pautas foi o apoio a Fernando Haddad (PT) ou Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições presidenciais. Estiveram no encontro, até o início da noite, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Marun acredita que a tendência seja liberar seus filiados e diretórios regionais para apoiarem quem quiserem. “Sinto que o pensamento da maioria dos parlamentares é de compreensão em relação à posição daqueles que, dentro da bancada, divergem. Existe divergência, mas existe uma compreensão em relação a isso e penso que o caminho seja a liberação do partido”.

O ministro chegou a essa conclusão após conversar com a bancada do partido na Câmara e consultar outros colegas da legenda. O martelo, no entanto, não está batido. Após conversar com os jornalistas, o ministro voltou para conversar com Temer e o presidente nacional do MDB, o senador Romero Jucá, era esperado para se juntar a eles na reunião.

Pauta legislativa - Ele também se mostrou frustrado com a atividade morna no Congresso esta semana. O governo precisa ver aprovada a Medida Provisória (MP) 840, que criou 164 cargos destinados ao Ministério da Segurança Pública. A MP criou cargos em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superiores (DAS) para atender a necessidades da área de segurança pública do governo. A MP perde a vigência no dia 17 de outubro.

Afastamento da política - Marun afirmou que vai deixar a política por um tempo após o fim do seu mandato como deputado federal, em 1º de fevereiro. Ele disse que quer dedicar mais tempo à família e à sua profissão de advogado. “A minha intenção é me afastar pelo menos por um tempo da política e me dedicar à minha profissão de advogado. E me dedicar também à minha família que, nos últimos tempos, tem sabido de mim mais pelos jornais do que no tête à tête”.

O ministro não sabe quanto tempo ficará fora de mandatos políticos e cargos do Executivo, apenas disse que espera não sentir falta do universo no qual viveu por muitos anos. “Muita gente diz que a política é como uma cachaça, é como um vício. Eu espero não estar viciado, que eu só goste. Que eu não esteja viciado a ponto não conseguir viver fora da política com felicidade”.

Veja Também

Nova pesquisa consolida liderança de Reinaldo
MPE vai apurar suspeita de doações ilegais à campanha de Bolsonaro
Eleitores de Bolsonaro realizarão ato público no domingo
Moro nega influência nas eleições ao divulgar delação de Palocci
Senac da Capital oferece cursos na área de informática
Próximo governo terá receita de R$ 15 bi em 2019
Aluno escondia arma dentro da lancheira, diz escola
Temer afirma que seu governo tirou o Brasil da crise
Haddad diz que substituirá toda a equipe econômica caso vença
Bolsonaro diz ter firmado compromisso em defesa da família