Menu
28 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Política

Senador colombiano envolvido em caso Odebrecht é detido em Bogotá

Elías supostamente teria recebido R$ 17 bilhões de pesos colombianos

10 Ago2017Agência Brasil17h25

As autoridades da Colômbia prenderam nesta quinta-feira (10), em Bogotá, o senador Bernardo Miguel Elías, do Partido Social da Unidade Nacional, por sua suposta participação no escândalo de pagamentos de propina da empreiteira Odebrecht no país. A informação é da agência EFE.

O político, do departamento de Córdoba, foi detido por agentes do Corpo Técnico de Investigação do Ministério Público (MP), em cumprimento de uma ordem da Corte Suprema de Justiça.

As provas enviadas ao tribunal indicam que o grupo político do senador, conhecido como "Bobo" Elías, supostamente recebeu 17 bilhões de pesos colombianos (cerca de US$ 5,6 milhões) provenientes multas relacionadas a contratos da construtora.

O Partido Social da Unidade Nacional, ao qual pertence Elías, é o mesmo do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos.

O MP colombiano enviou no mês passado um relatório à Sala Plena da Corte Suprema de Justiça para investigar a conduta de Elías e dos também senadores Musa Besaile, Plinio Olano e Antonio Guerra de la Espriella, "que foram mencionados nas diligências do inquérito como supostos beneficiários destes pagamentos".

Veja Também

Cãmara Prefeitura presta contas Situação financeira da Capital será debatida na segunda-feira
Assembleia Deputados analisam, prestação de contas da Saúde Relatório do primeiro quadrimestre será votado e aprovado por parlamentares
Múltipla escolha eleitoral
Pedro Chaves defende caminhoneiros e critica gestão da Petrobras
Projeto de lei cria programa de amparo à mulher alcoólatra em MS
Temer entra com ação no STF para desbloquear rodovias
Forças federais vão desbloquear rodovias
Simone comemora destinação de 30% do fundo eleitoral para mulheres
TSE define quanto cada partido receberá de fundo eleitoral
Reoneração é aprovada com erro e projeto será ajustado, diz Marun