Menu
26 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Campo Grande

“Saio de cabeça erguida”, diz Bernal em despedida

Progressista passa as últimas horas como prefeito fechando balanços financeiros

31 Dez2016Valdelice Bonifácio14h35

O prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) passa suas últimas horas como chefe do Poder Executivo fechando balanços financeiros do município e se despedindo de sua equipe de trabalho, no prédio da prefeitura. Bernal pediu a seu grupo que permaneça unido. “Saio de cabeça erguida pois fizemos tudo que estava ao nosso alcance pela nossa cidade”, mencionou ao discursar para a equipe.

Amanhã, dia 1º de janeiro de 2017, toma posse o novo prefeito da Capital, Marquinhos Trad (PSD) escolhido nas eleições de outubro deste ano. A posse do novo prefeito, secretários e vereadores será às 17h no Centro de Convenções Rubéns Gil de Camillo, no Parque dos Poderes. Bernal deve comparecer para transmitir o cargo.

Bernal está concluindo o mandato tendo vivido situações inéditas para um prefeito da Capital. Eleito em 2012, derrotando o candidato da situação Edson Giroto (PR) em segundo turno, o progressista não formou maioria na Câmara Municipal.

Em março de 2014, ele foi cassado pelos vereadores, sob a acusação de forjar uma situação de emergência para contratar empresas sem licitação, o que Bernal sempre negou ter feito. Ele ficou afastado da prefeitura até 25 de agosto de 2015 quando retornou por decisão judicial.

A volta de Bernal à prefeitura ocorreu após a Operação Coffee Break apurar a existência de um escândalo, sem precedentes, no Legislativo Municipal. Segundo a investigação do Gaeco, a cassação de Bernal foi na verdade comprada. Vereadores agiram de forma criminosa aceitando vantagens (cargos ou dinheiro) para votarem pela cassação do prefeito. O então vice-prefeito Gilmar Olarte (PP) que ficou com a prefeitura após a cassação do titular figura entre os denunciados.

Em 31 de maio de 2016, o Ministério Público denunciou 24 pessoas entre empresários, políticos e servidores públicos por envolvimento na trama. Os crimes mencionados são associação criminosa, corrupção ativa e passiva. Todos os envolvidos negam as acusações do MP.

Em outubro deste ano, ele tentou a reeleição, mas não conseguiu votação suficiente para ir ao segundo turno disputado entre Marquinhos Trad e a vice-governadora Rose Modesto (PSDB). Bernal,  aliás, apoiou Marquinhos.

O último ano da administração de Bernal foi marcado por dificuldades financeiras e administrativas. Neste mês de dezembro, a Justiça determinou a ruptura dos contratos que a prefeitura mantinha com as entidades Omep e Seleta (alvos de investigação criminal), com isso serviços públicos ficaram prejudicados. Mais de quatro mil servidores eram contratos por meio dos convênios.

Outra medida relevante e polêmica foi adotada pelo próprio prefeito. Ele rompeu o contrato de concessão com a Solurb, responsável pela coleta de lixo, por meio de decretos. Bernal alegou que a licitação vencida pela Solurb em 2012 foi fraudulenta, além disso, segundo ele, a concessionária teria superfaturado os valores dos serviços prestados. A empresa nega as acusações.

 A situação já foi discutida com Marquinhos Trad que vai aguardar a Justiça se manifestar sobre o assunto. 

Veja Também