Campo Grande •25 de Junho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Sábado, 15 de Outubro de 2016 - 12h05Rose assume compromisso de revitalizar Avenida Ernesto GeiselCandidata visitou trechos mais deteriorados das margens do Rio Anhanduí

(Foto: Divulgação)

Moradores da região Anhanduizinho convidaram a candidata Rose Modesto, da coligação Juntos por Campo Grande (PSDB-PR-PDT-PSB-PRB-PSL-SD), para uma visita nos trechos mais deteriorados das margens do Rio Anhanduí, na Avenida Ernesto Geisel. O ponto de encontro aconteceu na esquina da avenida com a Rua Ouro Negro. Após ouvir os relatos da população, Rose falou sobre suas propostas e assumiu compromisso de revitalizar o trecho.

“Atualmente, de acordo com a Planurb [Instituto Municipal de Planejamento Urbano], gasta-se anualmente de R$ 25 [milhões] a R$ 28 milhões para recuperar os estragos que as enchentes causam em Campo Grande”, afirmou Rose. “A nossa proposta buscar parcerias com a nossa bancada federal e com o Estado, que já se colocou à disposição para discutir e ajudar. Também usaremos recursos próprios para resolver o problema de maneira definitiva”, completou.

Em 2012, na gestão de Nelsinho Trad, foi feito um projeto com custo médio de R$ 80 milhões para a revitalização das margens do Rio Anhanduí entre a rua Santa Adélia e a avenida Manoel da Costa Lima. Desse montante, R$ 40 milhões foi liberado pela Caixa Econômica Federal, mas a prefeitura não ofereceu a contrapartida e a obra parou. Já o atual prefeito, Alcides Bernal, não assinou a ordem de serviço e as construtoras desistiram do projeto.

Para Rose, o histórico representa descaso e mal planejamento. “O que falta, acima de tudo, é vontade política. Isso já se tornou uma vergonha nacional. É um prejuízo financeiro, material e emocional. Os moradores sofrem demais com essa situação”, pontuou.

“Eu moro aqui há mais de 20 anos e, sempre que chove, fico agoniado”, afirmou o tapeceiro Ubaldino Simões de Lima, 57 anos, que tem casa e comércio na Avenida Ernesto Geisel, em frente ao Rio Anhanduí. “As enchentes são terríveis, entra água por tudo”, lamenta. O tapeceiro conta que já viu inúmeras obras na região, mas o problema nunca foi resolvido.

A vice-governadora reassumiu o compromisso de finalizar todas as obras inacabadas da Capital, caso eleita. “Temos hoje pelo menos 37 prédios que não foram terminados, entre unidades de saúde, creches, obras de drenagem e outros”, comentou Rose. “Obra inacabada é prejuízo em dobro e nós vamos concluir projetos como esse, da Avenida Ernesto Geisel, que representa para a população um sonho de mais de 20 anos”, finalizou.

Veja Também
Domingo, 25 de Junho de 2017 - 11h42Câmara pode mudar regularização de terras Regularização fundiária é um dos temas mais polêmicos no país
Ministro da Justiça nega troca no comando da Polícia Federal
Gestão Temer é 'ruim' ou 'péssima' para 69% dos brasileiros
Comprimidos em excesso encontrados na cela de Sérgio Cabral
Critérios de cobrança da Cosip serão revisados
Proposta alternativa à ‘Lei Harfouche’ é educativa
Cosip: 'Me encontrem uma maneira para não cobrar'
MPE recomenda a prefeito que regularize prática de nepotismo
Maioria do STF confirma delações da JBS e Fachin relator
Juiz suspende verbas indenizatórias a vereadores da Capital
Vídeos
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento