Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Eleições 2016

Rose assume compromisso de revitalizar Avenida Ernesto Geisel

Candidata visitou trechos mais deteriorados das margens do Rio Anhanduí

15 Out2016Da redação12h05

Moradores da região Anhanduizinho convidaram a candidata Rose Modesto, da coligação Juntos por Campo Grande (PSDB-PR-PDT-PSB-PRB-PSL-SD), para uma visita nos trechos mais deteriorados das margens do Rio Anhanduí, na Avenida Ernesto Geisel. O ponto de encontro aconteceu na esquina da avenida com a Rua Ouro Negro. Após ouvir os relatos da população, Rose falou sobre suas propostas e assumiu compromisso de revitalizar o trecho.

“Atualmente, de acordo com a Planurb [Instituto Municipal de Planejamento Urbano], gasta-se anualmente de R$ 25 [milhões] a R$ 28 milhões para recuperar os estragos que as enchentes causam em Campo Grande”, afirmou Rose. “A nossa proposta buscar parcerias com a nossa bancada federal e com o Estado, que já se colocou à disposição para discutir e ajudar. Também usaremos recursos próprios para resolver o problema de maneira definitiva”, completou.

Em 2012, na gestão de Nelsinho Trad, foi feito um projeto com custo médio de R$ 80 milhões para a revitalização das margens do Rio Anhanduí entre a rua Santa Adélia e a avenida Manoel da Costa Lima. Desse montante, R$ 40 milhões foi liberado pela Caixa Econômica Federal, mas a prefeitura não ofereceu a contrapartida e a obra parou. Já o atual prefeito, Alcides Bernal, não assinou a ordem de serviço e as construtoras desistiram do projeto.

Para Rose, o histórico representa descaso e mal planejamento. “O que falta, acima de tudo, é vontade política. Isso já se tornou uma vergonha nacional. É um prejuízo financeiro, material e emocional. Os moradores sofrem demais com essa situação”, pontuou.

“Eu moro aqui há mais de 20 anos e, sempre que chove, fico agoniado”, afirmou o tapeceiro Ubaldino Simões de Lima, 57 anos, que tem casa e comércio na Avenida Ernesto Geisel, em frente ao Rio Anhanduí. “As enchentes são terríveis, entra água por tudo”, lamenta. O tapeceiro conta que já viu inúmeras obras na região, mas o problema nunca foi resolvido.

A vice-governadora reassumiu o compromisso de finalizar todas as obras inacabadas da Capital, caso eleita. “Temos hoje pelo menos 37 prédios que não foram terminados, entre unidades de saúde, creches, obras de drenagem e outros”, comentou Rose. “Obra inacabada é prejuízo em dobro e nós vamos concluir projetos como esse, da Avenida Ernesto Geisel, que representa para a população um sonho de mais de 20 anos”, finalizou.

Veja Também

MPF cobra R$ 22 milhões de Puccinelli e ex-secretários
LDO terá audiência pública dia 27
Cadastro biométrico não é obrigatório no interior para eleições 2018, diz TRE-MS
Servidor público terá falta abonada para ir à reunião escolar
TCE-MS encaminha projeto de reajuste salarial à Assembleia
Vereadores da Capital propõem parcelar imposto em até 12x
Aprovados em concurso da Agepen pedem apoio por convocação
Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex
STF aceita denúncia contra Aécio por corrupção e obstrução de Justiça
Vereadora promete provar que trocou de partido por justa causa