Menu
22 de outubro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner CCR-MS Via
Nacional

Reajuste do STF: Há um conflito entre o justo e o possível, diz Marun

Maioria dos ministros decidiu enviar ao Congresso Nacional proposta de reajuste de 16% nos próprios salários

9 Ago2018Agência Brasil15h51

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse hoje (9) que vê um conflito entre “o justo e o possível”, na proposta de aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Ontem (8), a maioria dos ministros decidiu enviar ao Congresso Nacional proposta de reajuste de 16% nos próprios salários, para 2019.

“Pode até existir justiça. O que me preocupa é o possível. É possível isso ser feito nesse momento? Em relação a isso não sei”, disse em entrevista a jornalistas após participar de cerimônia o Palácio do Planalto. E completou “Esse é um conflito interessante e importante entre o justo e o possível”.

O salário nos ministros do Supremo atualmente é de R$ 33,7 mil. Caso o reajuste de 16% seja aprovado no Orçamento da União, que será votado pelo Congresso, o salário poderia chegar a R$ 39 mil. O valor provocaria efeito cascata nos salários do funcionalismo já que o subsídio dos ministros é o valor máximo para pagamento de salários no serviço público.

A inclusão do reajuste foi decidida por 7 votos a 4. Votaram a favor do aumento os ministros Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Luiz Fux e Alexandre de Moraes. A presidente da Corte, Cármen Lúcia, votou contra o reajuste, assim como os ministros Rosa Weber, Edson Fachin e Celso de Mello.

Veja Também

Eleições 2018: Voto na Record A partir desta terça, eleitores só poderão ser presos em flagrante Segundo turno das eleições ocorre no próximo dia 28 de outubro em todo o Brasil
Eleitores realizam ato pró-Bolsonaro na Capital
TSE prepara anúncio de medidas de combate às fake news
Reinaldo diz que combate
Odilon convida eleitores para fiscalizar votação
Reinaldo promete ICMS diferenciado na fronteira
Pela democracia, mulheres vão às ruas na Capital e em várias cidades
PF abre inquérito para investigar fake news envolvendo candidatos
WhatsApp remove contas de disparo em massa de notícias falsas
Campanha eleitoral é dominada por troca de acusações sobre fake news