Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Educação

Proposta alternativa à ‘Lei Harfouche’ é educativa

Escolas poderão combater violência de forma pedagógica, criando a cultura da paz

24 Jun2017Da redação14h07

Um projeto de cunho educativo seguindo a linha da Justiça Restaurativa. Assim está sendo definida a proposta alternativa ao Projeto de Lei (PL) 219/2015, conhecido como ‘Lei Harfouche’, cujo texto foi concluído na reunião realizada pelo Grupo de Trabalho responsável por elaborar a minuta do novo projeto de lei, na Assembleia Legislativa. 

O projeto dispõe sobre a implantação de Programa de Atividades com Fins Educativos no âmbito dos estabelecimentos que compõem o Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, que compreende tantos as escolas públicas quanto as particulares. O deputado Pedro Kemp (PT) destacou as principais mudanças no projeto alternativo, em relação ao PL 219/2015.

“Este projeto tem um cunho educativo e segue a linha da Justiça Restaurativa, oferecendo para as escolas instrumentos de como trabalhar a violência e a indisciplina de uma forma pedagógica, criando a cultura de paz nas escolas. Está sendo pensado em contraposição ao projeto original que foi apresentado na Assembleia, que tinha um caráter mais punitivo e na realidade sabemos que a punição não educa e não provoca uma mudança de comportamento”, explicou.

Iara Gutierrez Cuellar, da Secretaria de Movimentos Sociais, da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), ressaltou a oportunidade que o aluno inserido neste projeto de lei pode ter.

“É possível que ele reflita qualquer ação que prejudique não apenas ele, mas também seus pais e colegas, prejudicando todo o sistema educacional, e assim também ele percebe que é importante no processo da educação e na comunidade escolar. Para nós, trabalhadores em Educação, o diálogo vem em primeiro lugar, você não pode declarar guerra como uma forma de educar, tem que aproximar os pais e alunos da escola”, completou.

O defensor-público Rodrigo Zoccal falou sobre a adequação do projeto para atender tanto as escolas públicas quanto as particulares. “A partir do momento que você diferencia alunos de escola pública e alunos de escolas privadas você gera uma desigualdade. Essa desigualdade sem um fundamento jurídico é ilegal, é inconstitucional. Com medidas restaurativas de responsabilização dos alunos pelos danos causados, seja patrimonial, seja em razão da violência a professores ou a outros colegas em todas instituições de ensino do Estado, está sendo feito o que a Constituição prevê, que é justamente a igualdade entre todos”, alertou Zoccal.

Pedro Kemp também comentou sobre os encaminhamentos da reunião. “Vamos formatar o projeto e submeter a Plenário. Em relação à ideia inicial da realização da audiência pública sobre o projeto de lei, nós adotaremos uma sistemática diferente. O que queremos agora é dar publicidade ao projeto que foi elaborado e levar a vários segmentos da sociedade para fazer um debate sobre concepção de educação, concepção de psicologia educacional, discutir as causas da violência e até receber sugestões para melhorar o projeto”, divulgou o deputado.

Os deputados Dr. Paulo Siufi (PMDB), Felipe Orro (PSDB), Herculano Borges (SD) e Antonieta Amorim (PMDB), membros da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, também compõe o Grupo de Trabalho. Também participaram da reunião o Sindicato Campo Grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP), o Conselho Regional de Psicologia (CRP14/MS), a Justiça Restaurativa, juristas e representantes de pais e de alunos.

(Com informações da assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa)

Veja Também

MPF cobra R$ 22 milhões de Puccinelli e ex-secretários
LDO terá audiência pública dia 27
Cadastro biométrico não é obrigatório no interior para eleições 2018, diz TRE-MS
Servidor público terá falta abonada para ir à reunião escolar
TCE-MS encaminha projeto de reajuste salarial à Assembleia
Vereadores da Capital propõem parcelar imposto em até 12x
Aprovados em concurso da Agepen pedem apoio por convocação
Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex
STF aceita denúncia contra Aécio por corrupção e obstrução de Justiça
Vereadora promete provar que trocou de partido por justa causa