Menu
6 de junho de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Meio Ambiente

Projeto prevê materiais biodegradáveis a copos e canudos em MS

Deputado justificou que um utensílio feito de plástico demora de 200 a 400 anos para se decompor

16 Mai2019Da redação16h18

O deputado estadual Neno Razuk (PTB) apresentou um Projeto de Lei que dispõe sobre a obrigatoriedade da utilização de copos e canudos biodegradáveis em todo estabelecimento comercial e organização públicas ou privadas de Mato Grosso do Sul, que os fornecerem gratuitamente.

A proposta apresentada nesta quinta-feira (16) especifica que entende-se por materiais biodegradáveis “aqueles elaborados a partir de matérias orgânicas e não oriundos de polímeros sintéticos fabricados à base de petróleo”. O deputado justificou que um utensílio feito de plástico demora de 200 a 400 anos para se decompor, segundo pesquisa da Universidade Federal de São Carlos e que para produzir um único copo de plástico utiliza-se até 3 litros de água.

“Muitas vezes utilizamos o copo uma única vez e depois ele é descartado. E o canudo representa 4% de todo lixo plástico do mundo, sendo utilizado em média quatro minutos. Sendo assim esse projeto é um ponta pé inicial e efetivo para mudança de hábito de toda a população”, argumentou o deputado Neno Razuk. O projeto agora segue para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

Veja Também

TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano
Resende desiste de disputar prefeitura após apelo do governador
Bolsonaro veta R$ 8,6 bi de fundo extinto para combate a coronavírus
Câmara lança cartilha para ajudar candidaturas de mulheres em 2020
Projeto obriga redes sociais a pedirem CPF ou CNPJ para acesso a aplicativos
Presidente do TSE defende lista tríplice obrigatória para escolha do PGR
Projeto aumenta penas para crimes contra profissionais de imprensa
Senadora alerta para enormes desafios do pós-pandemia
Ação contra fake news é para censurar mídias sociais, diz Bolsonaro
Projeto de Lei suspende restrição do CPF por dívidas de IPVA