Menu
18 de junho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Poder Legislativo

Projeto de Lei regulamenta a profissão de instrutor de trânsito

Atualmente, somente Resolução do Contran trata sobre a atividade do instrutor de trânsito

22 Mai2019Da redação16h57

Começou a tramitar nesta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei, de autoria do deputado Evander Vendramini (PP), que regulamenta o exercício da profissão de instrutor de trânsito no Estado. Pelo texto, para exercer a atividade é necessário registro no Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS).    

Ao instrutor de trânsito compete instruir os alunos acerca dos conhecimentos teóricos e das habilidades necessárias à obtenção, alteração, renovação da permissão para dirigir e da autorização para conduzir ciclomotores. Além disso, o profissional é responsável em ministrar cursos definidos pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Para exercer a atividade, os principais requisitos são: idade mínima de 21 anos, pelo menos dois anos de efetiva habilitação, não pode ter infração de natureza gravíssima, ensino médio completo e certificado de curso específico, de direção defensiva e de primeiros socorros.

“Hoje, somente Resolução do Contran trata sobre a atividade do instrutor de trânsito. Considerando que as normas existentes não disciplinam de forma precisa e efetiva os aparatos necessários para atender os anseios da categoria, o Estado possui competência suplementar para legislar sobre o tema”, disse o parlamentar. 

Veja Também

Deputado estadual propõe a criação do Programa Milhas da Saúde
Bernal deixa comando do PP para Evander assumir
Maia diz que comissão pode aprovar Previdência na semana que vem
Governador sanciona leis de combate à crueldade contra animais
Bolsonaro avalia reduzir imposto sobre produtos de TI
Parecer da reforma é bem recebido pelo mercado financeiro
Projeto inclui tema 'Combate à corrupção' no currículo escolar
Nelsinho assume presidência do PSD com Londres de vice
Moro diz que pode ter cometido um 'descuido formal'