Menu
13 de novembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner - AL/MS - Campanha Mudanças
Polícia Federal

Presos da Vostok já estão em liberdade

Ministro do Superior Tribunal de Justiça , Félix Fischer, não prorrogou a prisões temporárias

16 Set2018Valdelice Bonifácio14h49

As treze pessoas presas na Operação Vostok, da Polícia Federal, já estão em liberdade. A informação foi repassada ao Diário Digital por advogados dos investigados. As prisões eram temporárias (válidas por cinco dias) e como o ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não prorrogou o prazo, todos foram liberados neste domingo, 16 de Setembro. A Vostok investiga esquema de concessão de incentivos fiscais a frigoríficos do grupo JBS em troca de propina no governo de Reinaldo Azambuja (PSDB).

Conforme Carlos Marques que defende o deputado estadual José Roberto Teixeira, o Zé Teixeira, em caso de prisões temporárias não existe a necessidade de alvará de soltura, assim, os investigados foram liberados tão logo os prazos expiraram. "Agora vamos fazer o acompanhamento do processo. Nós insistimos em uma mesma linha desde o princípio, a de que não há fato novo", disse.

Além de Zé Teixeira, foram liberados Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja; Nelson Cintra Ribeiro; Marcio Campos Monteiro; Ivanildo da Cunha Miranda; João Roberto Baird; Antônio Celso Cortez; Elvio Rodrigues; Francisco Carlos Freire de Oliveira; Miltro Rodrigues Pereira; Osvane Aprecido Ramos; Rubens Massahiro Matsuda; Zelito Alves Ribeiro.

Entre os investigados que tiveram a prisão decretata, há ainda José Ricardo Guitti Guimaro, conhecido como "Polaco", que não foi preso, embora tenha sido procurado pela PF. Segundo o advogado dele José Roberto da Rosa, Polaco vai se apresentar à Polícia Federal  (PF)  de Brasília nesta segunda-feira, 17. "A ideia era apresentá-lo neste dmingo, mas como a equipe de investigações está retornando hoje para Brasília, vamos apresenta-lo amanhã", explicou o defensor.

A Operação Vostok foi deflagrada na quarta-feira passada, 12. Cerca de 200 policiais participaram dos trabalhos. Além das 13 prisões temporárias, foram cumpridos 41 mandados de busca e apreensão. Segundo as investigações, os envolvidos na trama criminosa lucraram R$ 67,7 milhões em subornos. O prejuízo total gerado ao Estado foi de R$ 209,7 milhões.

Veja Também

Operação policial nacional movimenta a Capital
Mandetta é cotado para ser ministro da Saúde, diz Bolsonaro
Ministro da Educação representa Temer e autoriza reforma de escola
Estrutura do Ministério da Agricultura será definida nesta semana
Bolsonaro nega proposta de alíquota de 22% para a Previdência
Senador eleito quer mudar divisão de recursos com estados e municípios
Deputados elogiam escolha de Tereza Cristina para Ministério da Agricultura
Após prisões de deputados, MPF diz que Assembleia era 'propinolândia'
Mais votado quer cargo na Mesa Diretora
Tereza Cristina somará muito para o agronegócio, diz presidente da Aprosoja/MS