Menu
25 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Falecimento

Prefeitura também decreta luto oficial pela morte de Wilson Martins

Wilson Martins foi prefeito da Capital entre os anos de 1959 e 1963

13 Fev2018Da redação13h50

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, decretou luto oficial pela morte do ex-governador de Mato Grosso do Sul, Wilson Barbosa Martins, que faleceu nesta terça-feira (13), aos 100 anos de idade, em sua casa no Centro de Campo Grande.

Wilson Barbosa Martins, que nasceu em Campo Grande, no dia 21 de junho de 1917, também foi prefeito da Capital entre os anos de 1959 e 1963.

Veja abaixo a nota divulgada pelo prefeito Marquinhos Trad:

"Um grande homem fica para sempre

Foi com imenso pesar que recebemos a notícia do falecimento do ex-governador Wilson Barbosa Martins. Homem honrado, reto e preparado, esteve ao lado de meu pai, Nelson Trad, nas trincheiras contra a ditadura, lutando pelo restabelecimento do Estado Democrático em nosso País.

O Mato Grosso do Sul perde um Estadista. Mesmo assim, ficará para sempre em nossa memória seu legado e seus compromissos com a liberdade, com o desenvolvimento e com a justiça.

Nesse momento, invocando a força de Deus, uno-me aos sentimentos dos amigos e familiares nessa homenagem ao grande homem que nos deixa, embora saiba que em sua nova morada ele permanecerá eternamente em nossos corações.

Prefeito Marquinhos Trad."

Veja Também

Simone comemora destinação de 30% do fundo eleitoral para mulheres
TSE define quanto cada partido receberá de fundo eleitoral
Reoneração é aprovada com erro e projeto será ajustado, diz Marun
Justiça determina prisão imediata de ex-governador de MG
Moka assume relatoria do Orçamento
Brasil é preparado para não crescer, diz Aldo Rebelo
Corrupção Mais um pacote de medidas contra a corrupção será lançado Para tentar diminuir este tipo de crime pacote será lançado em junho
Pré-candidato à presidência visita Capital nesta segunda
Mundo Este domingo, 20, é dia de Venezuelanos irem às urnas Mais de 20 milhões de pessoas dever votar no país vizinho