Campo Grande •23 de Junho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Valdelice Bonifácio, com Thiago Bonfim, da TV MS Record | Segunda, 9 de Janeiro de 2017 - 17h14Para decifrar dívida, prefeitura suspende pagamentosNova gestão diz ter encontrado contabilidade desorganizada e renegociará contratos

  
Prefeito não admitirá que prefeitura compre mais do que o necessário ou pague valores acima do mercado (Foto: Marco Miatelo)
  • Prefeito não admitirá que prefeitura compre mais do que o necessário ou pague valores acima do mercado
  • Revisão dos contratos é medida em busca do restabelecimento do equilíbrio econômico do município, diz equipe de Marquinhos (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A prefeitura de Campo Grande vai suspender por 90 dias o pagamento dos fornecedores. O objetivo é fazer um pente-fino no montante da dívida do município, cujo valor real ainda é desconhecido. A gestão anterior de Alcides Bernal (PP) teria deixado a contabilidade desorganizada de modo que até agora a equipe de Marquinhos Trad (PSD) não sabe quanto deve.

Todas as licitações e contratos em curso passarão por reavaliação e renegociação de modo a reduzir a quantidade comprada e os preços. A prefeitura não quer comprar mais do que o necessário e nem pagar valores acima do mercado. Nesta segunda-feira, 9 de janeiro, Marquinhos Trad publicou decretos com as novas medidas e concedeu entrevista coletiva para explicá-los.

Durante a entrevista no Paço Municipal, o prefeito assegurou que não haverá suspensão de pagamento para compras essenciais, como alimentos para a merenda escolar, medicamentos para as unidades de saúde do município e nem para o serviço de tapa-buracos.

A revisão dos contratos é mais uma medida em busca do restabelecimento do equilíbrio econômico do município. Atualmente, o déficit mensal será de R$ 25 milhões. “Porém, não tomaremos nenhuma medida que impeça o funcionamento da prefeitura ou de serviços essenciais”, garantiu Marquinhos.

Contabilidade desorganizada – A situação financeira da prefeitura ainda não é totalmente conhecida pela nova gestão. Isso porque a gestão anterior de Alcides Bernal, conforme a equipe de Marquinhos, deixou a contabilidade desorganizada.

Os técnicos da nova gestão encontraram empresas que cobram valores maiores do que os apontados nos balancetes. Há outros casos em que o débito cobrado é menor que a aparece nos papéis. Diante das divergências, os pagamentos estão suspensos até que seja apurado caso a caso. Há suspeitas de pagamento de valores acima do preço de mercado, situação que será apurada.

Em princípio, os valores a pagar apontados nos balancetes deixados pela equipe de Bernal eram de R$ 364 milhões. Porém, diante das constatações de números supostamente improcedentes nas planilhas, a prefeitura ainda não sabe qual o valor real da dívida.

Por isso, o decreto de número 13.036 instituiu um grupo de trabalho com a finalidade de realizar levantamento de dívidas dos órgãos e das entidades da administração direta e indireta, existentes em 31 de dezembro de 2016.

O trabalho será coordenado pela Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento. O prazo para a conclusão do levantamento é de 90 dias.  Durante este prazo está vedado o pagamento de despesas realizadas até 31 de dezembro de 2016, exceto as referentes a pessoal e encargos, dívida fundada e de caráter continuado.

Renegociações – Conforme o decreto 13.037, os órgãos e as entidades da administração direta e indireta promoverão a reavaliação das licitações em curso, bem como dos contratos firmados até 31 de dezembro de 2016. O objetivo é alteração dos preços cotados ou contratados, conforme o caso, aos níveis daqueles atualmente praticados no mercado para o mesmo bem ou serviço.

O mesmo decreto prevê a  adequação das quantidades licitadas ou contratadas, conforme o caso, ao nível da disponibilidade orçamentária ou do estritamente necessário para atendimento da demanda, o que for menor, respeitados os limites legais.

Conforme o prefeito, a reavaliação das licitações terá como premissa o interesse público e embasará a eventual revogação do procedimento licitatório ou a rescisão do contrato quando não houver acordo entre as partes.

De acordo com o decreto, as reavaliações e renegociações deverão estar concluídas até 31 de março de 2017.

Volta à origem – O decreto de número 13.038 estabeleceu o prazo de 30 dias para que todos os servidores no Poder Executivo, que se encontram cedidos e/ou em exercício em órgão ou entidade diferente de sua lotação, retornem à sua origem. A medida atinge cerca de 300 servidores públicos do município.

O servidor deverá preencher o formulário de apresentação, disponibilizado no endereço eletrônico da Prefeitura Municipal de Campo Grande (www.pmcg.ms.gov.br). O formulário deve ser entregue  na unidade de recursos humanos de seu órgão ou entidade de lotação, em 2 (duas) vias e devidamente preenchido, e juntar cópia do documento oficial de identidade com foto. O servidor detentor de dois cargos deverá preencher um formulário para cada cargo.

De posse dos formulários, a prefeitura decidirá o destino de cada servidor, se o mantém cedido ou no órgão de origem. O funcionário ausente fica sujeito à suspensão da sua remuneração, sem prejuízo das demais penalidades estatutárias, regulamentares e legais referentes ao abandono do cargo. 

Confira aqui os decretos publicados no Diário Oficial desta segunda-feira

Veja Também
MPE recomenda a prefeito que regularize prática de nepotismo
Maioria do STF confirma delações da JBS e Fachin relator
Juiz suspende verbas indenizatórias a vereadores da Capital
Bernal recorrerá da decisão do TCE sobre lâmpadas de LED
TCE mantém suspensa compra de lâmpadas de LED
Dois ministros votam contra revisão de delação pedida por Reinaldo
Governo e JBS têm 5 dias para entregar documentos
Quarta, 21 de Junho de 2017 - 10h30Henrique Alves e Eduardo Cunha são denunciados pelo MPF no Rio Grande do Norte Ex-parlamentares são acusados de receber pelo menos R$ 11,5 milhões em propinas de empreiteiras
Quarta, 21 de Junho de 2017 - 09h37Envolvido no caso Odebrecht, controlador-geral do Equador renuncia Anúncio sobre a saída de Pólit foi feito pelo presidente da Assembleia Nacional (Parlamento), o governista José Serrano, no...
STF vota pedido de Reinaldo para afastar de Fachin
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento