Menu
21 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Nacional

'O que ele fez não tem preço', diz Bolsonaro sobre Moro na Lava Jato

'Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder, a promiscuidade do poder no tocante à corrupção'

13 Jun2019Agência Brasil16h30

O presidente Jair Bolsonaro elogiou hoje (13) o trabalho do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante sua atuação como juiz da Operação Lava Jato. “O que ele fez não tem preço. Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder, a promiscuidade do poder no tocante à corrupção”, disse Bolsonaro em conversa com jornalistas após cerimônia no Palácio do Planalto.

No último dia 9, o site de notícias The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens atribuídas a Moro e a membros da força-tarefa da Lava Jato, que apontam para uma “colaboração proibida” entre o então juiz federal responsável por julgar processos decorrentes da operação em Curitiba e os procuradores, a quem cabe acusar os suspeitos de integrar o esquema de corrupção. Para Bolsonaro, houve "uma invasão criminosa".

“Ele [Moro] faz parte da história do Brasil. Vazou [a conversa]? Se vazar meu aqui, tem muita brincadeira que faço com colegas que vão me chamar de novo de tudo aquilo que me chamavam durante a campanha. Houve uma invasão criminosa, se é que o que está sendo vazado é verdadeiro ou não”, disse Bolsonaro. Questionado se considera normal conversa entre juiz e procurador, o presidente respondeu: "Normal é conversa com doleiro, com bandidos, com corruptos, isso é normal? Nós temos nos unidos do lado de cá. Ninguém forjou provas nessa questão da condenação do [ex-presidente] Lula”, ressaltou ele, ao falar sobre o processo julgado por Moro na primeira instância da Lava Jato, em Curitiba.

Sergio Moro também nega qualquer irregularidade em sua conduta. Lula está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ter sua condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal 4ª Região (TRF4), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Na semana passada, o Ministério da Justiça e Segurança Pública revelou que uma tentativa de invasão do telefone celular do ministro tinha sido identificada, motivando-o a deixar de usar a linha telefônica. A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar a denúncia.

Veja Também

Ministro defende 'cárcere duro' para combate ao PCC
Locadora com veículo licenciado fora de MS pode ser penalizada
Bolsonaro parabeniza policiais por ação contra sequestro no Rio
Para Jefferson, Delcídio ajudará PTB a ficar mais evidente
Bolsonaro inaugura escola com seu nome
Senado aprova empréstimo para modernizar fisco em MS
Câmara instala hoje comissão para analisar aposentadoria de militares
Homenagem aos ex-governadores
Ciro Gomes participa de ato político na Capital na sexta-feira
Corpo de jovem  é encontrado