Menu
4 de junho de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Investigação

Ninguém está acima da lei, diz Reinaldo sobre Operação Omertà

Governador comentou operação do Gaeco que mira suposta milícia comandada por empresário e o filho

3 Out2019Da redação, com TV MS Record18h32

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) comentou nesta quinta-feira, 3 de Outubro, durante agenda em Aquidauana, as prisões da Operação Omertà que tem como alvo suposta milícia armada chefiada pelo empresário Jamil Name e o filho dele Jamil Name Filho.

“O Importante é que ninguém está acima da lei. Uma operação quando prende policiais é porque está fazendo a corregedoria funcionar”, disse durante entrevista à imprensa.

Reinaldo mencionou que o governo está “cortando na própria carne” com as prisões de policiais supostamente envolvidos com a milícia. “Estamos agindo para excluir essa banda podre que é banda que em vez de trabalhar em defesa do cidadão, trabalha muitas vezes em defesa do crime organizado, e não queremos policiais com esse perfil”, acrescentou.

Os Name estão presos desde sexta-feira passada, dia 27de Setembro, quando estourou a operação Omertà. Além deles, outras 17 pessoas também estão presas suspeitas de ligação com a milícia. Outros dois envolvidos são procurados pela polícia. Para o Gaeco, o grupo criminoso seria responsável por ao menos quatro assassinatos na Capital.

Veja Também

Bolsonaro veta R$ 8,6 bi de fundo extinto para combate a coronavírus
Câmara lança cartilha para ajudar candidaturas de mulheres em 2020
Projeto obriga redes sociais a pedirem CPF ou CNPJ para acesso a aplicativos
Presidente do TSE defende lista tríplice obrigatória para escolha do PGR
Projeto aumenta penas para crimes contra profissionais de imprensa
Senadora alerta para enormes desafios do pós-pandemia
Ação contra fake news é para censurar mídias sociais, diz Bolsonaro
Projeto de Lei suspende restrição do CPF por dívidas de IPVA
Governo impõe quarentena remunerada a Mandetta
Proposta isenta comerciantes e motoristas de multas aplicadas na pandemia