Campo Grande •18 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner SEGOV - Mesmo na crise Obras

Valdelice Bonifácio | Terça, 13 de Setembro de 2016 - 17h32Na PF, empresário acusa Marquinhos de fraudesDono da empresa 4 Rodas quer que deputado pague multa plicada pela Justiça

O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, disse poucas palavras à imprensa após depoimento na PF
O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, disse poucas palavras à imprensa após depoimento na PF (Foto: Roberto Okamura)

O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, prestou depoimento na tarde desta terça-feira, dia 13 de setembro, à Polícia Federal (PF). Ele foi intimado para falar em investigação que apura lavagem de dinheiro nas eleições de 2014 para a campanha do deputado estadual Marquinhos Trad (PSD), hoje candidato à prefeitura de Campo Grande. O empresário acusa Marquinhos de fraudes e o culpa pela multa aplicada contra ele pela Justiça Eleitoral no valor de R$ 244 mil.

Conforme relato do empresário, nas eleições de 2014, Marquinhos Trad, que tentava à reeleição para a Assembleia Legislativa, teria arrecadado cerca de R$ 200 mil envolvendo “laranjas” para simular doações. Empresários recebiam, em suas contas, dinheiro de origem desconhecida e depois devolviam como doação para campanha de Marquinhos. O dono da 4 Rodas teria recebido nas contas da empresa R$ 50 mil e, posteriormente, repassou o valor por meio de cheque como doação para campanha de Marquinhos.

O empresário acabou multado pela Justiça Eleitoral em R$ 244 mil devido à doação. Isso porque o valor doado extrapolou o limite permitido por lei para a empresa, que é de 2% dos rendimentos brutos auferidos no ano anterior à eleição. Na ocasião, a 4 Rodas declarava faturamento de R$ 54 mil. Arnaldo quer que Marquinhos pague a multa. “Queria que ele pagasse a multa que é dele”, disse à imprensa ao deixar a sede da Polícia Federal. “Ele fraudou”, respondeu ao ser questionado porque a multa caberia a Marquinhos e não ele que foi o doador.

Após breves palavras, o empresário deixou o local. A Polícia Federal não divulgou qualquer informação sobre o depoimento ou a investigação que está em curso. Se condenado, Marquinhos pode ter seu diploma cassado e ficar inelegível por oito anos, além de pegar até cinco anos de prisão.

Outro lado - O advogado de Marquinhos Trad, Valdir Custódio, também esteve na Polícia Federal. Ele informou que já existe um processo no qual o deputado estadual acuso o empresário de extorsão. O deputado, inclusive, convocou uma entrevista coletiva para hoje na qual pretende se contrapor às acusações feitas pelo empresário.

Veja Também
Previdência Municipal vira alvo de CPI na Câmara
MPF denuncia ex-ministro Geddel Vieira por obstrução de Justiça
Aplicativo Mulher Segura pode ajudar vítimas de violência doméstica
PMDB marca convenção para voltar a usar a sigla MDB
JBS admite que não cumpriu acordos
PF apreende celulares e eletrônicos na casa de ex-secretário federal
Terça, 15 de Agosto de 2017 - 12h00Moro defende "vontade política" para que medidas anticorrupção avancem Moro fez um balanço positivo da Lava Jato
Deputados reiniciam hoje votação de mudanças no sistema político-eleitoral
De olho no Senado, Bernal assume presidência do PP
Sob protestos, projeto ‘Escola sem partido’ é debatido na Câmara
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento