Campo Grande •27 de Abril de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Valdelice Bonifácio | Terça, 13 de Setembro de 2016 - 17h32Na PF, empresário acusa Marquinhos de fraudesDono da empresa 4 Rodas quer que deputado pague multa plicada pela Justiça

O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, disse poucas palavras à imprensa após depoimento na PF
O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, disse poucas palavras à imprensa após depoimento na PF (Foto: Roberto Okamura)

O empresário Arnaldo Britto de Moura Júnior, dono da 4 Rodas, prestou depoimento na tarde desta terça-feira, dia 13 de setembro, à Polícia Federal (PF). Ele foi intimado para falar em investigação que apura lavagem de dinheiro nas eleições de 2014 para a campanha do deputado estadual Marquinhos Trad (PSD), hoje candidato à prefeitura de Campo Grande. O empresário acusa Marquinhos de fraudes e o culpa pela multa aplicada contra ele pela Justiça Eleitoral no valor de R$ 244 mil.

Conforme relato do empresário, nas eleições de 2014, Marquinhos Trad, que tentava à reeleição para a Assembleia Legislativa, teria arrecadado cerca de R$ 200 mil envolvendo “laranjas” para simular doações. Empresários recebiam, em suas contas, dinheiro de origem desconhecida e depois devolviam como doação para campanha de Marquinhos. O dono da 4 Rodas teria recebido nas contas da empresa R$ 50 mil e, posteriormente, repassou o valor por meio de cheque como doação para campanha de Marquinhos.

O empresário acabou multado pela Justiça Eleitoral em R$ 244 mil devido à doação. Isso porque o valor doado extrapolou o limite permitido por lei para a empresa, que é de 2% dos rendimentos brutos auferidos no ano anterior à eleição. Na ocasião, a 4 Rodas declarava faturamento de R$ 54 mil. Arnaldo quer que Marquinhos pague a multa. “Queria que ele pagasse a multa que é dele”, disse à imprensa ao deixar a sede da Polícia Federal. “Ele fraudou”, respondeu ao ser questionado porque a multa caberia a Marquinhos e não ele que foi o doador.

Após breves palavras, o empresário deixou o local. A Polícia Federal não divulgou qualquer informação sobre o depoimento ou a investigação que está em curso. Se condenado, Marquinhos pode ter seu diploma cassado e ficar inelegível por oito anos, além de pegar até cinco anos de prisão.

Outro lado - O advogado de Marquinhos Trad, Valdir Custódio, também esteve na Polícia Federal. Ele informou que já existe um processo no qual o deputado estadual acuso o empresário de extorsão. O deputado, inclusive, convocou uma entrevista coletiva para hoje na qual pretende se contrapor às acusações feitas pelo empresário.

Veja Também
Presidente do Senado está na UTI
MS pode ganhar data para celebrar Dia do Capelão
Quarta, 26 de Abril de 2017 - 12h17Temer exonera três ministros para votar reforma trabalhista na Câmara Relatório da reforma trabalhista foi aprovado ontem (25)
'Governo está mais otimista com economia', diz Reinaldo
Aprovado projeto que prevê controle das despesas do Município
STF revoga prisão domiciliar e Bumlai fica em liberdade
Ministro da Justiça defende redução do número de presos provisórios
Pedágio sem obras é inconcebível, diz governador sobre BR-163
Temer vai pedir a ministros empenho na aprovação de reformas
Marco Civil da Internet pode perder força com novas leis, dizem pesquisadores
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - cirurgia.net
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento