Campo Grande •17 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo do estado - Campanha Transparência Governo

Da redação | Terça, 1 de Agosto de 2017 - 19h00Justiça mantem CPI do Táxi na Câmara da CapitalJuiz indeferiu pedido de liminar solicitada pelo Sindicato dos Taxistas do Estado

(Foto: Marco Miatelo)

A 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos da Capital negou pedido de liminar em mandado de segurança coletivo impetrado pelo Sindicato dos Taxistas do Estado de MS (Sintáxi) para barrar a CPI do Táxi que está em funcionamento na Câmara Municipal de Campo Grande. A comissão investiga a possível existência de monopólio e  distribuição irregular de alvarás no setor.

Conforme o Poder Judiciário, o sindicato alegou que o presidente da Câmara deixou de seguir a orientação técnica da Procuradoria Jurídica da Câmara de Vereadores e não fixou o período dos fatos que estão sendo investigados. Porém, o argumento não convenceu o magistrado. O sindicato alegou ainda que a CPI vem expondo em demasia os associados da entidade.

Para o juízo, o pedido liminar não comporta deferimento por não se vislumbrar possível afronta ao disposto no art. 82, § 1º, do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Campo Grande, e no art. 33, § 3º, da Lei Orgânica Municipal. Dispõe o Regimento Interno que o presidente, no prazo de 48 horas, contado da criação da CPI, baixará ato especificando o fato a ser investigado, os vereadores que dela farão parte e o prazo de duração, não sendo este superior a 120 dias.

“Denota-se claramente que o fato objeto da CPI foi devidamente especificado, que o objeto da investigação é a suposta monopolização dos alvarás de permissão de exploração dos serviços de táxi do Município de Campo Grande. Sobre a delimitação temporal, urge consignar que a orientação técnica da Procuradoria Jurídica possui caráter meramente opinativo, não vinculando a decisão da presidência do órgão, e que se o fato a ser investigado é a suposta monopolização dos alvarás, não há como – e nem há sentido jurídico – limitar a investigação a apenas alguns alvarás, ou somente àqueles concedidos após determinado tempo”, escreveu o magistrado.

No entender do juízo, a concessão de um alvará de permissão para exploração do serviço de táxi não implica direito ad eternum à exploração desse serviço ao permissionário. Para ele, tem o poder público o direito – e, mais do que isso, o dever – de fiscalizar e controlar a exploração desse serviço e a CPI materializa o exercício desse poder-dever de fiscalização e de controle atribuído constitucionalmente ao Poder Legislativo.

“Somado ao exposto acima, impõe destacar que ao Poder Judiciário só é permitido imiscuir-se nos atos de outros poderes quando existir manifesta ilegalidade ou abuso de poder, sob pena de violação ao princípio da separação de Poderes. Dessa forma, qualquer ingerência do Poder Judiciário em uma CPI, que retrata a atuação constitucional do Poder Legislativo, deve ser analisada com muita cautela e só admitida excepcionalmente, situação não verificada nos presentes autos. Ante o exposto, indefiro o pedido liminar”.

Veja Também
TCE-MS promete radiografia da Previdência estadual
Temer garante que a reforma da previdência será aprovada em 2018
Assembleia Legislativa cria Programa de Gestão Documental
Para Gilmar Mendes, restrição do foro privilegiado é um equívoco
Fábio Trad aguarda convocação para retornar à Câmara
Marun assume Secretaria e abre mão de reeleição
Edição explicada da Constituição do Estado é lançada na Capital
Ministro diz ter convicção de que Reforma da Previdência será aprovada
Calçadão do Estrela do Sul será inaugurado neste sábado
Senador de MS vai relatar Reforma do Código Comercial
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento