Menu
17 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Decisão judicial

Justiça mantem CPI do Táxi na Câmara da Capital

Juiz indeferiu pedido de liminar solicitada pelo Sindicato dos Taxistas do Estado

1 Ago2017Da redação19h00

A 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos da Capital negou pedido de liminar em mandado de segurança coletivo impetrado pelo Sindicato dos Taxistas do Estado de MS (Sintáxi) para barrar a CPI do Táxi que está em funcionamento na Câmara Municipal de Campo Grande. A comissão investiga a possível existência de monopólio e  distribuição irregular de alvarás no setor.

Conforme o Poder Judiciário, o sindicato alegou que o presidente da Câmara deixou de seguir a orientação técnica da Procuradoria Jurídica da Câmara de Vereadores e não fixou o período dos fatos que estão sendo investigados. Porém, o argumento não convenceu o magistrado. O sindicato alegou ainda que a CPI vem expondo em demasia os associados da entidade.

Para o juízo, o pedido liminar não comporta deferimento por não se vislumbrar possível afronta ao disposto no art. 82, § 1º, do Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Campo Grande, e no art. 33, § 3º, da Lei Orgânica Municipal. Dispõe o Regimento Interno que o presidente, no prazo de 48 horas, contado da criação da CPI, baixará ato especificando o fato a ser investigado, os vereadores que dela farão parte e o prazo de duração, não sendo este superior a 120 dias.

“Denota-se claramente que o fato objeto da CPI foi devidamente especificado, que o objeto da investigação é a suposta monopolização dos alvarás de permissão de exploração dos serviços de táxi do Município de Campo Grande. Sobre a delimitação temporal, urge consignar que a orientação técnica da Procuradoria Jurídica possui caráter meramente opinativo, não vinculando a decisão da presidência do órgão, e que se o fato a ser investigado é a suposta monopolização dos alvarás, não há como – e nem há sentido jurídico – limitar a investigação a apenas alguns alvarás, ou somente àqueles concedidos após determinado tempo”, escreveu o magistrado.

No entender do juízo, a concessão de um alvará de permissão para exploração do serviço de táxi não implica direito ad eternum à exploração desse serviço ao permissionário. Para ele, tem o poder público o direito – e, mais do que isso, o dever – de fiscalizar e controlar a exploração desse serviço e a CPI materializa o exercício desse poder-dever de fiscalização e de controle atribuído constitucionalmente ao Poder Legislativo.

“Somado ao exposto acima, impõe destacar que ao Poder Judiciário só é permitido imiscuir-se nos atos de outros poderes quando existir manifesta ilegalidade ou abuso de poder, sob pena de violação ao princípio da separação de Poderes. Dessa forma, qualquer ingerência do Poder Judiciário em uma CPI, que retrata a atuação constitucional do Poder Legislativo, deve ser analisada com muita cautela e só admitida excepcionalmente, situação não verificada nos presentes autos. Ante o exposto, indefiro o pedido liminar”.

Veja Também

Eleitores podem solicitar voto em trânsito a partir desta terça-feira
Tempo para justificar o voto
Produtores rurais de Sidrolândia fazem homenagem a Bolsonaro
Marun nega participação em supostas fraudes no Ministério do Trabalho
STF dá mais 30 dias para conclusão de investigação sobre Aécio
Juiz deverá consultar pais e MP antes de definir guarda de filhos
Deputado pede ao governo cronograma dos recursos da Cesp
Câmara define Comissão Representativa para o recesso parlamentar
Servidores pedem retirada de projeto sobre Previdência Complementar
Política MDB confirma convenção para o dia 4 de agosto Evento deve servir para confirmar chapa de candidatos majoritários e proporcionais