Menu
24 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Super Banner TCE - Combate à corrupção
Eleições 2018

Harfouche confirma candidatura ao governo

Procurador-licenciado troca disputa ao Senado pela de governo; convenção do PSC será no dia 4

27 Jul2018Valdelice Bonifácio16h00
Sérgio Harfouche, a esposa Cláudia e dois do quatro filhos Sérgio e Maressa (Foto: Marco Miatelo)
  • Harfouche concendeu entrevista coletiva em sua residência para confirmar que concorrerá ao governo
  • Sérgio Harfouche, a esposa Cláudia e dois do quatro filhos Sérgio e Maressa (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O procurador-licenciado Sérgio Harfouche (PSC) confirmou durante entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, 27 de julho, que concorrerá ao governo do Estado nas eleições de 2018. Ele era pré-candidato ao Senado, mas mudou de planos após enxergar espaço para uma nova candidatura a governador com base em pesquisas de opinião. A convenção que oficializará a candidatura dele está marcada para 4 de agosto.

A entrevista coletiva foi concedida na casa do procurador na Vila Planalto em Campo Grande. Ele reuniu a esposa Cláudia e dois de seus quatro filhos, Sérgio e Maressa, para comunicar sua decisão à imprensa. “Meu plano de governo terá como base a família (...) Desejo que as famílias tenham ambiente necessário para criar seus filhos”, comentou, sem acrescentar mais detalhes sobre o plano de governo.

Harfouche informou ter tido acesso a pesquisas que apontam que 60% do eleitorado está insatisfeito com os nomes apresentados até o momento para o cargo de governador. O procurador afirma já ter partidos políticos que se aliarão a sua candidatura, contudo, não revelou nenhum deles. Segundo Harfouche, também não está definido o nome do vice e nem quem assumirá a vaga de candidato ao Senado que ele deixou para concorrer ao governo.

O agora pré-candidato ao governo também tratou de polêmicas envolvendo o nome dele. Harfouche enfrenta processo pelo uso de outdoors para suposta propaganda eleitoral, o que é proibido pela lei. Durante coletiva, ele alegou que as peças publicitárias com a sua foto visavam divulgar um programa de TV apresentado por ele e não a candidatura ao Senado.

Harfouche foi denunciado pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), mas acredita que a denúncia será arquivada. “O Ministério Público está fazendo o papel dele. Eu tenho certeza de que tudo será esclarecido.”

O procurador-licenciado também mencionou o episódio do Estádio Douradão, em Dourados, onde palestrou numa audiência para mais de 20 mil pessoas, em maio do ano passado. Na ocasião, pais de alunos da rede pública foram convocados para acompanhar o evento que abordaria assuntos relacionados à educação dos filhos. O assunto gerou polêmica. Juristas criticaram a convocação obrigatória que foi tida como “constrangimento ilegal aos pais.”

“Todas as pessoas que foram estavam de acordo em estar alí, mas infelizmente o que saiu na imprensa foi diferente”, reclamou.

Por enquanto, o único nome confirmado para a disputa pelo governo é o do juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) já aprovado em convenção. Também pretendem concorrer o atual governador Reinaldo Azambuja (PSDB) que tentará a reeleição, o ex-governador André Puccinelli (MDB) que está preso e o ex-prefeito de Mundo Novo Humberto Amaducci (PT).

Veja Também

Moro lamenta retorno do Coaf ao Ministério da Economia
Areia em lago do Parque das Nações lotará 21 mil caminhões
Candidata que recebeu R$ 761 mil e obteve 491 votos é investigada
Audiência debate reforma da Previdência na Câmara da Capital
Após reforma da Previdência governo quer avançar em privatizações
Projeto de Lei regulamenta a profissão de instrutor de trânsito
Vereador propõe que atletas usem milhas aéreas de políticos
Guedes prevê enxurrada de 'notícias boas' após reforma
Reduzir imposto para combater contrabando de cigarros é ilusão, diz Simone
Empresário tem que ter liberdade para demitir, diz senadora de MS